Sagrado Feminino: Consagração do Ventre

A Consagração do Ventre de Luz © é um processo de Despertar, Autocura e Transformação do Feminino.

São feitas limpezas e purificações de agressões, abusos, traumas, violência, doenças, desordens, crenças e limitações que impedem a mulher de ter uma vida plena, criativa, feliz, próspera e prazerosa.

E a cada Sintonização, a gente vai limpando, purificando e energizando a mulher em todo o seu ser. Assim ela se sente curada, amada, valorizada, aceita, acolhida, protegida, criativa, feminina e sensual.

Toda dor física é uma dor emocional. E por isso os problemas sexuais e ginecológicos têm uma relação emocional-energético e um tratamento corporal, energético e vibracional também. Seu corpo sofre através de TPM, cólicas menstruais, endometriose, cistos, nódulos, miomas, infertilidade, incontinência urinária, vaginismo, Baixa libido, falta de lubrificação, prazer sexual, orgasmos…

O momento de reconhecer a importância da Saúde Sexual e a Sexualidade Sagrada chegou. Se limpe, se cure e se liberte de tudo o que te impede de ter uma vida plena, saudável, prazerosa e feliz. Afinal, libido é ENERGIA VITAL. Se libido/energia sexual é energia de vida, a pessoa que não exerce sua sexualidade está numa “poça de lama” de energia vital estagnada, se adoecendo. Reveja suas crenças limitantes.

Acorde para a vida. Descubra seu clitóris. Desperte a criatividade de seu útero, de seu Ventre de Luz. É com isso que a Ginecologia Quântica®️ trabalha: Saúde Genital e Sexualidade Saudável. Despertar para AutoCura Corporal e Sexual através de Terapias Corporais-Vibracionais.

Sintonização Energética On-line a cada Lua Cheia. Faça a sua Aqui

Recursos para Mulheres trabalharem o Sagrado Feminino

Você deseja viver plenamente como a mulher apaixonada, espiritual, poderosa, amorosa, criativa e sensual que você sabe que realmente é?

Mulheres de Lua: Mandala Lunar Menstrual

Quando nos conectamos com nossa própria natureza cíclica e a celebramos como uma fonte de poder, temos a oportunidade de aprofundar a fonte de nossa sabedoria interior. 

O segredo do bem-estar, sucesso e realização das mulheres é o ciclo menstrual!

 Culturas nativas em todo o mundo homenagearam mulheres jovens com cerimônias para celebrar a menarca, o primeiro período menstrual. Nos tempos antigos, o sangue menstrual figurava de forma poderosa nos mitos da criação e na cosmologia. Os estudiosos estão começando a reconhecer que a Deusa estava viva na imaginação pré-histórica e que suas imagens representavam um compromisso humano com a “fertilidade” e a “natureza” (Noble, 1983). 

Os nativos americanos se referem à menstruação como a hora da lua. Tradicionalmente, as mulheres sangrando iam para uma cabana lunar para descansar e meditar, onde sua atenção poderia estar em outro lugar – nos planos espirituais oníricos, reunindo sabedoria. Nossa visão da lua muda diariamente à medida que ela passa por quatro fases.

Também somos criaturas de flutuação e vivenciamos um ciclo biológico mensal com quatro fases: menstrual, folicular, fértil e lútea – cada uma com sua própria mistura de elementos hormonais, físicos e energéticos. 

“estar em fluxo é a natureza do feminino, e esse é o modo de vida lunar. Você deve se dar permissão para mudar constantemente, cada sono é uma espécie de trabalho de parto repousante ao luar, durante o qual você dá à luz uma nova versão de si mesmo assim que o sol nasce. ” –Danielle Dulsky

Ser mulher é ser cíclica e menstruar é sagrado. Crescemos sem nunca aprender muito sobre isso, sobre menstruação, exceto quando nos dizem que podemos engravidar depois que ela aparece pela primeira vez e devemos usar absorventes quando sangramos, o que acontecerá todo mês. 

Nossa perspectiva social dominante considera a menstruação como uma necessidade biológica inconveniente, cujas evidências devem ser escondidas e encobertas, de preferência indetectáveis. No meio do desenvolvimento de nossa autoestima como mulheres através dos olhos de uma cultura patriarcal, inevitavelmente perdemos o poder e a sabedoria inerentes a nossos corpos femininos.  Não somos ensinadas a “ler” ou compreender nosso próprio corpo. Pelo contrário, somos ensinadas a nos envergonhar, esconder e aceitar vários meios artificiais para “gerenciar” nossos corpos. Enquanto mulheres sentem vergonha de estarem menstruadas, homens são ensinados a ter nojo também, a colocar tudo na conta da TPM ao invés de respeitar a mulher de cada fase. A Mulher é tida pelo homem como difícil de entender, mas não seria fácil se apenas observassem o desenrolar de cada fase? Cada fase do ciclo afeta como pensamos, agimos e reagimos, como sentimos e para que estamos disponíveis. Não podemos pedir isso dos os outros quando nós mesmas não o sabemos.

“Quando combinamos uma tarefa com as habilidades aprimoradas que experimentamos em uma fase, não apenas podemos fazer as coisas melhor e mais rápido – também nos sentimos bem! Nosso ciclo menstrual é um instrumento incrível para criar conquistas E felicidade.” Miranda Grey

MENSTRUAÇÃO

 O primeiro dia em que você vê sangue vermelho é considerado o Dia 1. Você começa a liberar o revestimento do útero, que se tornou espesso e esponjoso durante as últimas semanas. Os níveis hormonais caem e os níveis de energia podem fazer o mesmo. Para muitos de nós, este é um momento de grande alívio após a tensão interna que se acumula durante o pré-menstruação.

Dê a si mesma um consentimento amoroso para liberar as camadas acumuladas durante o mês, não apenas as camadas uterinas físicas, mas também os detritos psíquicos e a desordem emocional. A lua está escura e também “nova”, assim como esta fase de “fim-começo”. Não é necessário que o seu ciclo sincronize literalmente com a lua real – se você sangrar com a lua nova Estou me referindo ao seu próprio ciclo único, sua lua, sua estação; seu corpo é um microcosmo da terra! .

A menstruação está associada ao tempo de inverno, marcado pelas energias do retraimento, um momento para ouvir o seu eu interior e o seu corpo. O arquétipo da Anciã reivindica essa fase. As barreiras entre a mente consciente e subconsciente são reduzidas, permitindo que você abra sua consciência e interaja com a consciência de seu corpo. Veja mais sobre os arquétipos incorporados no ciclo menstrual aqui.

FASE FOLICULAR

 O hipotálamo avisa a glândula pituitária para enviar o hormônio folículo-estimulante aos ovários. Como resultado, cerca de uma dúzia de folículos (pequenos sacos em cada ovário) começam a amadurecer e a emitir estrogênio.

Você experimenta sua primavera interior, uma explosão de energia que pode brotar novas sementes e lançar novos começos. Você pode experimentar maior determinação, ambição e concentração e ser capaz de realizar mais em seu trabalho. É um ótimo momento para iniciar novos projetos, debater ideias e conhecer novas pessoas. 

FASE FÉRTIL

 O estrogênio está subindo e sinaliza ao útero para construir um novo revestimento. O estrogênio também promove a produção de fluido cervical. O colo do útero é a abertura inferior do útero e pode ser sentido projetando-se para a parte superior da vagina. O colo do útero é revestido por canais chamados criptas. Essas criptas produzem fluido cervical – frequentemente observado durante a fase folicular com uma qualidade pegajosa que então progride para uma textura cremosa, depois fértil e escorregadia para elástica, semelhante a clara de ovo, logo antes da ovulação. 

Toni Weschler oferece uma grande visão em Assumir o controle de sua fertilidade:

“O fluido cervical é para a mulher o que o fluido seminal é para o homem. Uma vez que os homens são sempre férteis, eles produzem fluido seminal todos os dias. As mulheres, por outro lado, são férteis apenas alguns dias em torno da ovulação, e, portanto, produzir a substância necessária para a nutrição e mobilidade do esperma apenas durante esse tempo. É bastante intuitivo. Os espermatozoides requerem um meio para viver, se mover e se desenvolver – caso contrário, eles morrerão rapidamente. Uma vez que os espermatozoides viajam do pênis para a vagina, eles precisam de uma substância comparável para sustentá-los. Mas o único momento em que é crucial para o esperma sobreviver é por volta da época em que o óvulo é liberado. É por isso que as mulheres produzem a substância que se assemelha ao sêmen por apenas alguns dias por ciclo. Em última análise, o fluido cervical tem várias funções importantes. Ele fornece um meio alcalino para proteger o esperma da vagina ácida, nutre o esperma, atua como um mecanismo de filtragem e, talvez o mais importante, serve como um meio pelo qual o esperma pode se mover. ” 

Quando ela diz que o fluido cervical “nutre” o esperma, ela está se referindo ao fato de que o esperma pode viver até cinco dias em fluido cervical de qualidade fértil. Quando ela fala sobre aquela “vagina ácida,” essa leve acidez serve como uma barreira natural para infecções e irritações. Ele reprime o crescimento de bactérias ruins e estimula o crescimento de bactérias boas (que agora sabemos que são vitais para prevenir infecções). Além disso, a vagina tem a capacidade de se manter limpa, secretando fluidos naturais para eliminar as células velhas e manter um pH saudável. Você sabe como às vezes a roupa íntima fica com aquelas listras brancas ligeiramente crocantes. Isso é apenas a limpeza da vagina! Lembre-se de que isso é totalmente diferente do fluido cervical. Durante a fase fértil, os níveis de estrogênio atingem o pico e a glândula pituitária secreta o hormônio luteinizante – fazendo com que um óvulo maduro se rompa de seu folículo e do ovário. Isso é ovulação.

Algumas mulheres sentem dor pélvica com a liberação do óvulo, bem como uma onda de energia ou uma sensação de esgotamento. 

O arquétipo da mãe-criadora comanda essa fase e transmite um senso de autoconfiança e valor próprio que permite que você ofereça apoio, encorajamento e força aos outros, com a confiança de que você é capaz de dar e sustentá-lo. 

 Este é o momento de ter conversas importantes … quando suas habilidades de comunicação aprimoradas permitirão que você transmita seus pensamentos e opiniões de forma mais clara, bem como ser mais receptivo aos dos outros”.-Alissa Vitti

FASE LÚTEA

Após a ovulação, as células das paredes do folículo iniciam a produção de outro hormônio, a progesterona. Nesta altura chamamos este folículo pós-ovulatório o corpo lúteo ou corpo amarelo. O corpo lúteo permanece na superfície do ovário e produz progesterona, que torna o endométrio esponjoso (um revestimento uterino esponjoso é necessário para que a implantação-gravidez- seja bem-sucedida). A progesterona também faz com que a temperatura ao acordar fique mais quente e o fluido cervical seque. Caso não ocorra o implante, após em média 14 dias, no máximo 16 dias, o corpo lúteo se desintegra e seu revestimento uterino é liberado, desencadeando a menstruação. Durante a primeira metade da fase lútea, sua energia ainda pode estar alta, então continue a desfrutar das atividades que você realizou durante a ovulação e, em seguida, reduza sua intensidade conforme sua energia declina.

Lara Owen em Her Blood Is Gold ecoa este sentimento: “A TPM deveria realmente representar a Força Pré-Menstrual, porque isso é o que realmente é: nosso poder feminino voltado para si mesmo porque a cultura patriarcal falha em nutrir e honrar a realidade e os dons das mulheres. Quando esse poder é reconhecido e desenvolvido, fica claro que o que o pré-menstruo traz é clareza emocional e coragem. ”

 A lua afeta o fluxo de água em lagos e oceanos e, assim como a maré, os corpos das mulheres são um equilíbrio em constante mudança de hormônios e fluidos.

Lua Nova: Representa solidão, introspecção. No nosso ciclo – Menstruação. Esse é um bom momento para trazer novas ideias do que você quer para sua vida.
Lua Crescente: Realizar, início de projetos, começos. No nosso ciclo – Fase Lútea. Bom momento para colocar em prática a sua ideia.
Lua Cheia: Energia lá em cima, tudo intenso. No nosso ciclo – Ovulação. Aqui você pode visualizar tudo o que quer ver sendo realizado, pois a Lua Cheia intensifica nossa vibração.
Lua Minguante: Hora de limpar e soltar o que não beneficia. No nosso ciclo – TPM. Analise o que não deu muito certo na hora de colocar em prática a sua ideia inicial.
 

Isso quer dizer que cada fase da Lua tem uma representação de cada fase menstrual não que todas as mulheres vão menstruar na mesma lua. por isso é tão importante rastrear o seu próprio ciclo, entender qual é a fase em que você se encontra e quais energias estão disponíveis para você.

MANDALA DA LUA

Mandala é método circular e criativo de rastrear e compreender as nuances energéticas e psicoespirituais do ciclo menstrual.  Permite uma conexão através da sua criatividade e atenção, além de ser muito fácil de visualizar o que se repete ciclo após ciclo o que lhe propicia uma melhor gestão de si mesma de acordo com as nuances de cada fase.

De forma básica, consiste em anotar o que acontece com você durante seu ciclo menstrual e, com o tempo, acompanhar o que escreveu para encontrar padrões de sentimentos, pensamentos, sensações, ações e comportamentos.

COMO UTILIZAR A MANDALA LUNAR

Você pode criar seu próprio controle, uma legenda com aquilo o que considera importante anotar e é funcional pra você.

Você pode usar a legenda para identificar como está naquele dia e colorir o ciclo de acordo com a intensidade da menstruação, por exemplo. Pode colocar informações sobre seus estados emocionais, físicos e criativos, incluindo sono, energia, atividade física, libido, relações sexuais, humor, muco vaginal e qualquer sintoma ou característica que for importante acompanhar.

Mente: focada, produtiva, ativa, presente, dispersa, névoa mental, distraída, refletindo,
Emoção: pacífica, zangada, intuitiva, desapegada, melancólica, frustrada, forte, ansiosa, grata,
Física: vibrante, sensual, pesado, cansado, exausto baixa energia, drenada, ativa, forte, dolorida
Espírito: mudança, vigilância, isolamento, paz, volátil, ferida, errante, misteriosa, profunda

Perceber sinais como intestino preso ou solto, muita ou pouca fome, nível de ansiedade, cansaço, irritabilidade, libido, criatividade, seios e ventre inchados, oleosidade na pele e no cabelo… Também pode incluir sonhos e insights, e percepções de relacionamento.

A Mandala Lunar Menstrual é uma ferramenta de autoconhecimento com a qual você pode aprofundar sua conexão com os ciclos naturais e expandir sua prática de autoconsciência, colocar o Sagrado Feminino em prática. Cada mandala que desenhamos, corresponde ao retrato de registros internos (sentimentos, sensações, vontades) e externos (as fases da lua e do ciclo menstrual).

Comece a preencher no seu primeiro dia de ciclo (menstruação), de acordo com a fase da lua, e escreva dia 1.  

Quando nos conectamos com nossa natureza cíclica, temos a oportunidade de aprofundar em nossa sabedoria interior. É importante seguirmos as necessidades físicas e emocionais de cada fase do ciclo e suas nuances. Assim como a natureza tem períodos de expansão e contração, convivência e recolhimento, nós também temos.

Todo o ciclo menstrual é um processo alquímico em si mesmo, durante o qual toda mulher que sangra passa por uma transformação dentro de si mesma. Menstruar significa viver uma transmutação cíclica em que o passado é abandonado e o novo é abraçado. Experimentar essa transformação por meio de um ritual consciente nos desperta para nossa conexão com os ciclos que acontecem ao nosso redor e para nosso relacionamento com toda a vida. ”
– Lara Owen, o sangue dela é ouro: celebrando o poder da menstruação

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR A SUA MANDALA LUNAR

São 3 opções pra você imprimir e colorir, usar sua criatividade, rastrear e conhecer seu ciclo.

você se fazer as seguinte perguntas ao preencher:

Eu achei fazer as coisas hoje fácil ou difícil?

  • Como eu me sinto
    • Cansada ou ativa?
    • confortável com o toque do outro? Confortável com pessoas perto de mim?
    • Sociável ou antisocial?
    • Sensual?
    • Muito crítica com o meu corpo e minha aparência?
    • Desejo por guloseimas?
    • irritável ou de bom humor?

Recursos para Mulheres trabalharem o Sagrado Feminino

Você deseja viver plenamente como a mulher apaixonada, espiritual, poderosa, amorosa, criativa e sensual que você sabe que realmente é?

Arquétipos das deusas:

AtenaÁrtemis Hera Perséfone AfroditeDeméterHéstia

Os 4 Arquétipos e Estações do Ciclo Menstrual

“Quando tentamos nos forçar a ser lineares e constantes, a ser as mesmas mulheres alegres, extrovertidas e produtivas todos os dias, estamos nos preparando para nos sentirmos fracassadas – e para suspeitar que perdemos a cabeça em certos momentos do mês. Lembre-se, as mulheres em nossa sociedade são socializadas para sempre serem simpáticas, cuidadoras, sempre se doarem e nunca mostram insatisfação. Talvez a melhor maneira de perceber suas emoções pré-menstruais é reconhecer que é um momento em que você finalmente se permite expressar as frustrações que a sociedade espera que você reprima.” -Toni Weschler

Sim, mulher é de Lua! Intrinsicamente cíclica! O ciclo feminino compreende quatro fases de acordo com as quatro fases da lua, tendo aproximadamente 28 dias e pode variar entre 24 e 35 dias, podendo ser dividido em: fase pré-ovulatória, fase  ovulatória, fase pré-menstrual e fase menstrual. Essas fases e suas energias ainda se relacionam com as estações do ano e com os arquétipos da donzela, mãe, feiticeira e anciã.

Semana 1: Inverno interno –  Por volta do dia 1-6 do seu ciclo menstrual, quando você está sangrando.
Semana 2: Primavera Interior – Por volta do dia 7 a 13, quando você está na fase de pré-ovulação.
Semana 3: verão interno – por volta do dia 14-21 durante a fase de ovulação.
Semana 4: Queda interna – Por volta do dia 22-29 durante sua fase lútea , pré menstrual(desaceleração novamente).

Cada mulher é única. Você pode acabar tendo um ciclo mais curto ou mais longo, o que incorpora uma certa estação/arquétipo mais longa do que as outras ao longo de cada mês. A Lua que o seu ciclo se relaciona no inicio pode ser outra, e você pode se sentir desconectada da lua, mas ao rastrear seu ciclo ele começa naturalmente a se alinhar ainda que de forma única. Após algumas mandalas a relação da sua fase cíclica com a fase da lua fica mais clara.

Semana 1 – A Anciã e o Inverno

  • Temporada: Inverno
  • Arquétipo: Mulher Sábia / Velha /anciã/bruxa
  • Fase de Sangramento – Menstruação
  • Lua nova

No período menstrual entramos no arquétipo da Anciã e na fase do inverno. Este é o primeiro dia em que você começa a sangrar e é a primeira semana do seu ciclo.

A fase de sangramento do ciclo é o momento em que nossa energia e hormônios estão baixos o tempo todo, temos menos energia física, nossa força está voltada para dentro. A maioria das mulheres, quando possível, descansam mais nos primeiros dias da sua “lua”. Nesse período podemos ter uma maior abertura para o inconsciente, nossas memórias e energias ancestrais, é um período de recolhimento em que precisamos entrar em nosso espaço sagrado.

De acordo com a sabedoria das mulheres antigas, a fase da anciã é uma época em que o véu entre os mundos se tornam mais tênues. Diz-se que uma mulher em sua lua é mais poderosa e tem um acesso mais profundo à sua própria sabedoria. Em tempos mais antigos, as mulheres se separavam dos homens durante o período de sangramento para se reunir em cabanas ou tendas menstruais para se renovar e se sintonizar com o mundo espiritual.

O inverno é uma época de reflexão interior, uma época de morte metafórica.

Hibernação e repouso são duas qualidades do inverno que caracterizam com precisão o que é esta fase para uma mulher. O inverno interno não é uma época para dar aos outros, mas para nós mesmas. Aprender a amar a si mesma durante esse período e respeitar seus limites é o comportamento mais saudável que podemos adotar para nós mesmos e nossa família. 

Durante o período de inverno também aprendemos a deixar ir, é a fase de renovação e limpeza do que foi e do que não foi, para abrir espaço para o que pode ser, é o fim e o começo. 

Palavras-chave: Paz e sossego, descanso, tempo sozinho, dê-me espaço, aconchego, não estou disponível para você agora, sensibilidade, sabedoria, criatividade, desapego, renovação. 

Deusas e orixás relacionadas: Kali, Héstia, Nanã, Hécate

Semana 2 – A Donzela e a Primavera

  • Temporada: Primavera
  • Arquétipo: A Deusa, A Donzela
  • Fase pré-ovulatória -folicular
  • Lua crescente

Após o fim da menstruação, entramos na fase pré-ovulatória. Durante essa fase, o hormônio estradiol (um estrogênio) está subindo e os níveis de energia começam a voltar. Podemos nos sentir mais dispostas, extrovertidas, energizadas e ativas fisicamente.

Pense em como você se sente na primavera!

 Conforme a mulher entra em sua fase interna da primavera, ela está pronta para voltar ao mundo no arquétipo da Donzela, com uma energia mais solar e ativa. Como uma predisposição a ação. Este é o momento ideal para dedicar tempo aos nossos projetos, aprendizado e execução. 

Deusas e orixás relacionadas: Ártemis, Atenas, Ewá, Onirá

Palavras-chave: Renascimento, renovação, recomeço, produtivo, focado, independente, aprendendo, forte, capaz de enfrentar desafios, fisicamente energizado, concentração, execução, entusiasmo. 

Semana 3 – o Arquétipo da Mãe e o Verão

  • Temporada: Verão
  • Arquétipo: Mãe
  • Fase de Ovulação – fértil
  • Lua cheia

A fase de verão é quando as coisas começam a esquentar – literal e metaforicamente. Esta é a terceira semana do ciclo menstrual, onde ocorre a ovulação.

Eu amo o paralelo do corpo à terra em O Jardim da Fertilidade: “Como a superfície da terra, uma mulher em idade fértil passa por fases de resfriamento e aquecimento, que por sua vez criam umidificação e secagem, Sua fase fértil é seu próprio verão abafado. Este é um tempo de amadurecimento e de realização – seja a vida ou a criação frutífera de seus esforços. É uma fase altamente produtiva, cheia de energia, impulso criativo e sexualidade . A lua cheia redonda espelha o ovo. É a manifestação da lua escura. Irradiando sua energia para fora e conectando-se com a comunidade está no cerne desta fase. 

Durante a fase fértil, os níveis de estrogênio atingem o pico e a glândula pituitária secreta o hormônio luteinizante, causando a ruptura de um óvulo maduro do folículo e do ovário, resultando na ovulação. Sua temperatura corporal será maior nesse período por isso é a fase do verão interno.

Durante a fase ovulatória, manifestamos o arquétipo da Mãe que confere uma energia de nutrição externa, nos tornando mais disponíveis para os outros e para as nutrir as nossas relações. É uma fase altamente produtiva pois a energia sexual está bem ativa nessa fase solar, conferindo não só mais desejo sexual, libido, mas também tesão por fazer as coisas que são necessárias e socializar. É uma fase de vitalidade, criatividade, comunicação, sexualidade e receptividade.

  • algumas pesquisas sugerem que a ovulação é a melhor hora para pedir o que você quer – seja do seu parceiro, ou pedindo um aumento no trabalho por exemplo.

Deusas e orixás relacionadas: Deméter, Isis, Oxum, Iemanjá, Amaterasu, Afrodite

Palavras-chave: externo, expressivo, sedutora, criativa, lúdico, comunidade, construção de relacionamento, serviço, nutrir, amor, sexualidade, criar, construir, libido.

Algumas características ajudam a identificar o período da ovulação:

  • Leve desconforto ou dor abdominal
  • Fluido cervical: inicia seco e vai se tornando cada vez mais úmido, até parecer água. Quanto mais fluido, mais perto da ovulação você está.
  • Inchaço das mamas.
  • A temperatura aumenta e volta a cair no primeiro dia da próxima menstruação.

Semana 4 – A Sacerdotisa e o Outono

  • Temporada: Outono
  • Arquétipo: Mulher Selvagem / Sacerdotisa / Feiticeira
  • Fase Lútea – Pré-menstrual  
  • Lua minguante – geralmente

O outono é a quarta semana do seu ciclo e é aqui que as coisas começam a desacelerar. É  hora de ir diminuindo o ritmo e se preparando para a menstruação.

Depois da ovulação, o folículo vazio se torna o corpo lúteo, que permanece na superfície do ovário e produz progesterona para revestir o endométrio. A progesterona também faz com que a temperatura se torne mais quente e o fluido cervical seque. Caso a implantação não ocorra, após uma média de 14 dias, no máximo de 16 dias, o corpo lúteo se desintegra e seu revestimento uterino é liberado, desencadeando no período menstrual.

Este é um momento dinâmico que se altera gradualmente à medida que a fase avança. Sua lua interior se afasta do calor do verão interior e se move para a longa expiração do início do outono . Durante essa fase, sua intuição se intensifica e você pode desejar nutrição espiritual, um tempo sozinha, rituais de autocuidado e comunicação autêntica mais do que um toque físico . Preste muita atenção às suas emoções e reconheça-as. Isso diminui a probabilidade de ser expresso pelo corpo como um sintoma. Essa fase pode ser a mais dramática de todas e ter o maior impacto em nossa vida diária.

Muitos profissionais da saúde da mulher afirmam que a TPM é um sintoma de nossos tempos. Embora possamos tentar ignorar as necessidades de nosso corpo, nossa conversa corporal geralmente fica mais alta como resultado e se manifesta como extrema irritabilidade e fadiga, cólicas, entre outros sintomas.

Deusas e orixás relacionadas: Cerridwen, Morgana,  Baba Yaga, Obá, Yansã

Palavras-chave:  energia baixa, hormônios caindo, mais espaço, peça menos de mim, não quero dar agora, temperamental, menos foco e concentração, quero criar, menos coordenado, mentalmente criativo, criatividade ativa e intensificada, assertiva, estratégica. 


Muitas mulheres sentem que não têm nenhuma conexão com a lua. Quando começam a observá-la regularmente, o ciclo pode começar a se sincronizar com a lua. E isso é único, será a sua lua e não necessariamente será igual para todas, a mesma fase da lua, a mesma fase do ciclo. Mas ficará claro pra você a relação.

Essa é a conexão inegável que existe entre o corpo feminino e a lua, que está além da compreensão mental, que é a sabedoria esotérica da experiência feminina por causa de sua capacidade de sangrar.

Nossa conexão com a lua nos desperta para a sacralidade da menstruação e nos lembra que sangrar com a lua, circular com os ritmos da terra, faz parte da experiência de nascer mulher. Este é o rito nascimento milagroso e misteriosa de todas as mulheres. Quando você começa a traçar sua menstruação em relação à lua, você começa uma viagem para dentro de si. Você se dá conta de que seu corpo, como a Terra, está conectado a um padrão universal atemporal que é maravilhado desde o início.

Se você deseja se aprofundar Miranda Gray, no livro Lua Vermelha e Descubra as Deusas dentro de você resgata os ensinamentos sobre os arquétipos femininos durante cada fase.

No artigo Mulheres de lua você pode aprender sobre e baixar a Mandala Lunar Menstrual para rastrear seu ciclo, analisa-lo e compreender mais de si mesma conforme passa por cada fase do ciclo.


Recursos para Mulheres trabalharem o Sagrado Feminino

Você deseja viver plenamente como a mulher apaixonada, espiritual, poderosa, amorosa, criativa e sensual que você sabe que realmente é?

Metafísica e Psicossomática dos Seios: A menina, a mulher e a mãe

Seios são primeiramente meninas transformando-se em mulheres e como elas se relacionam entre si internamente.

Seios são a primeira coisa que apontam a sua feminilidade quando você está passando da fase infantil para adulta.Você deixa de ser criança e de ser olhada com inocência.

Conforme a menina está ficando para trás os seus seios começam a crescer, e embora seja algo íntimo não é privado, não é seu segredo, é algo que é visto, notado, reconhecido… Os seios crescem e mudam a sua imagem para o mundo, a maneira como os outros veem você não será mais a mesma, nem as expectativas sobre seu comportamento, como vai passar a se vestir e deve se comportar diante dos outros.

O desenvolvimento das mamas prepara a todos para verem você como mulher. Isso pode gerar muito desconforto, de repente é errado brincar com garotos como de costume, de repente não pode mais usar suas roupas favoritas porque agora tem algo que chama atenção e deve ser escondido.

Atenção. Esse é um outro detalhe, de repente você nota que ganha atenção com intenção diferente, muitas vezes isso é incomodo, um olhar indesejado… às vezes isso da medo, não apenas em você, mas pode ser um medo que vem dos seus pais, como o de que agora você é um alvo e algum abuso pode acontecer … então a criança pode não querer que eles cresçam e apareçam tanto, ela não quer essa atenção, nem quer se preocupar com esconder o peito ou mudar seu jeito, isso pode ser uma razão para nódulos se formarem conforme seus seios crescem assim como cistos no útero podem emergir desse sentimento “não estou segura como mulher” , a criança tem esse sentimento, ” não quero crescer para a mulher agora”, “não estarei a salvo”. Mas você cresce esquecendo ou ignorando esse sentimento, mas o corpo não esquece nem ignora, a criança interna continua sentindo… continua emburrada com aquilo que a vida impôs sobre ela.

Na fase de transição às vezes há uma luta interna entre a mulher que você está se tornando e a criança que não está pronta para ela. Você pode lembrar de querer crescer e querer que seus seios crescessem e esses sentimentos são reais, mas muitas vezes eles não deram vazão ao medo da criança, eles conflitaram inconscientemente com os desejos e inseguranças da menina. Como esses medos não foram acolhidos, eles se expressam mais tarde em outras formas, através do corpo.

Problemas com a sua feminilidade que são ainda inconscientes podem ser reconhecidos em alguns em sintomas pré menstruais, porque você não gosta do ciclo, reclama e sente dor, perceba que outras partes do seu corpo doem, e do que você reclama quando poderia honrar seu ciclo e fluir com a maneira como ele funciona. Se condena seu período… tem sim problemas com ser mulher. Você não pode amar ser mulher e odiar seu útero, odiar ficar menstruada. Não porque você” tem que” nada, mas observe que isso acontece todo mês e se essa for a sua atitude interna, o que você está fazendo com seu corpo? Que informação emocional está imprimindo nele todo mês continuamente? Ódio de ser quem é, do corpo que tem, do que essa característica representa na vida…No subconsciente arquetípico, o útero representa muitas coisas além da maternidade, como gestar, criar, dar vida à ideias, projetos e sonhos. Enquanto seios são resumidamente a nutrição daquilo que você deu vida.

Ser mulher é ser cíclica e ser de lua. Abraçar isso é viver em plenitude com o sagrado feminino que é você.

Se você não o faz, seu corpo reclama a atenção. Pede pelo seu olhar. Há muitas outras coisas que desequilibra a saúde dos seus seios, mágoas, ressentimento, raiva, desequilíbrio em dar e receber, sentimento de desamparo,abandono. No entanto a maioria deles começa na não aceitação total de si mesma e do que isso manifesta na sua vida. Seios são a nutrição da vida e sua relação com ela e consigo mesma. Sua vida tem certas oportunidades e certos limites, certos presentes e certos desafios , alguns unicamente, justamente por você ser mulher.

Seios nutrem aquilo que criamos, estão ligados a nossa capacidade de dar e receber livremente

Se o útero está ligado a capacidade criativa o seios está ligado a capacidade de nutrir seus sonhos de dar continuidade as suas criações, de nutrir a própria vida. Como mulheres somos todas mães ainda que não tenhamos filhos, somos mães dos nossos projetos e sonhos.

Seios estão ligados a sua função física que é nutrir. No nível físico, os seios se desenvolvem em preparação para alimentar nossos filhos, mas há também uma realidade espiritual por trás dessa conexão feminina com o sustento. Esta qualidade espiritual é a qualidade aberta e generosa do coração responsivo, a capacidade de nutrir, cuidar, dar e presentear .

Se simbolicamente seios nutrem aquilo que criamos, não estão ligados somente aos filhos mas a tudo na vida. O quanto você tem nutrido a sua vida ? Ou o que você tem nutrido ? Que tipo de pensamentos e sentimentos?

Nutrir começa consigo mesmo, o quanto você tem se nutrido ou se sente nutrido e Satisfeito ? Quando bebê você mama até se sentir satisfeito. Você se sente satisfeito com seu trabalho? Sua família ? Consigo mesmo?

Você nutre a si mesmo com alimento pro corpo, pra mente e pra alma ? Você se da tempo para relaxar e para se cuidar ? Ou faz pelos outros primeiro ?

Há uma crença de que devemos dar para receber e até certo ponto ela está certa mas o dar começa em si mesmo. Do contrário você está em desequilíbrio, seu pensamento e habito sobre dar e receber está distorcido e da-se para receber em expectativa de algo. A pessoa quer se nutrir, então da para o outro na expectativa de receber de volta, de ser nutrido pelo outro. Isso é tão distorcido !

Christian Northrup, MD, um visionário do bem-estar mente-corpo e co-fundador de um Centro de Saúde para Mulheres e Mulheres, escreveu:

A disfunção energética surge frequentemente quando uma mulher está confusa sobre como usar tanto o seu amor (quarto chakra) quanto o seu poder criativo (segundo chakra). O maior conflito dentro das mulheres é que a maioria de nós ainda acredita que para ser amado, para receber amor e garantir que alguém precisará de nós, devemos cuidar das necessidades físicas externas dos entes queridos.

Primeiro você se nutri, da a si mesmo tempo consigo, amor, carinho, presentes, cuidado, então satisfeito você compartilha. Se você da satisfeito, você da sem expectativas, sem obrigação, sem esperar receber de volta e por isso mesmo recebe de volta da vida, ainda que nem sempre da mesma pessoa.

Se você sabe se dar, se nutrir, quando você recebe um presente não se sente desconfortável porque não tem nada para a outra pessoa, não se sente obrigado a dar algo mais tarde, isso não perturba você, não te envergonha. Recebe de bom grado se sente grato e feliz. Agora se o seu dar e receber está deturpado, sente vergonha por não ter algo para dar, sente obrigado a comprar algo mais tarde para dar e restabelecer o equilíbrio com essa pessoa, você se sente em dívida porque no seu interior acredita que o outro deu esperando receber, mas só pensa assim quem faz o mesmo. Então nem mesmo um elogio é recebido de graça.

Seus seios doem ou adoeceram ? Esse é um ponto na sua vida a observar, hábitos que ainda podem ser mudados se você reconhecer o padrão. Seu corpo fala para você aquilo que você precisa mudar. Aquilo que está em desequilíbrio na sua vida, no seu coração ou mente mas que você está envolvido de mais, cego de mais, perto de mais para perceber sozinho.

De a si mesmo o que gostaria de receber dos outros e aos poucos as expectativas cessarão, e não haverá frustração quando alguém não notar seu corte de cabelo novo ou seu desempenho no trabalho, porque você estará satisfeito consigo mesmo. Porque você se deu o elogio, você se realizou com o trabalho que fez e isso é o bastante. Então no próximo ciclo você notará que dificilmente essas coisas passaram despercebidas e os elogios vêm, e aparecem as promoções ou outras propostas de trabalho, o reconhecimento do outro chega porque você parou de correr atrás dele. Quando você se nota, se da reconhecimento, amor, carinho, amparo, você começa a se alinhar com mais disso, a sintonizar essa frequência vibracionalmente e então tudo a sua volta vai ressoar de acordo.

Seios estão ligados ao chakra do coração que é o centro do que você espera, amor e compaixão. É o que liga você a outras pessoas e a quem você ama. É o seu centro de self e a ligação entre o físico e o espiritual. Assim ele se relaciona com aquilo que nutrimos em nossas relações, que sentimentos nutrimos em relação aos outros ? Como nos relacionamos com nós mesmos? Que sentimentos nutrimos mas calamos ? Que medos silenciamos em nosso peito ?

Quando emocionalmente mantemos nosso coração fechado ao construir uma parede, isso impede que nossos sentimentos sejam expressos, o que levará a um chacra cardíaco bloqueado. Que Superproteção colocamos em nossos corações? Manifestamos isso na necessidade de controle e microgerenciamento de nós e dos outros. Preocupação e ansiedade tornam-se companhias constantes quando somos seres controladores por extinto de autoproteção. A possessividade e necessidade de controle tem por trás a profunda insegurança e medo do abandono ou da perda. Não é a toa que a nova medicina germânica diz que o câncer de mama é em sua maioria relacionado com um trauma de separação.

Em uma análise enérgica de pacientes com câncer de mama, a médica intuitiva, Caroline Myss escreveu:

“Para algumas mulheres, o câncer se desenvolve em resposta a uma incapacidade de nutrir, o que resulta em sentimentos de culpa e auto-ódio. Outros experimentam crises de medo e identidade como resultado de não aceitar o fechamento natural do ciclo da maternidade quando as crianças saem de casa. “

A área dos seios e do peito reflete o ‘eu para o eu’. É nossa área privada e pessoal e simboliza nosso senso de auto-identidade. Observe como, ao falar, você toca o peito para indicar-se ou ao falar sobre seus sentimentos ou opiniões. Nós temos que amar e nos aceitar antes que possamos realmente amar os outros. Se estamos pautados em nós mesmos ainda que venhamos a perder alguém ou algo ao qual somos profundamente ligados temos mais força para lidar com o trauma, a vida não interrompe o fluxo com a separação, ela continua fluindo conforme lidamos com a dor e nos nutrimos de amor e todas as coisas necessárias para nos confortar e reerguer.

Cristina Cairo escreveu

Em japonês, a palavra titi significa: seios, pai, marido, leite materno. Quando uma mulher nutre em seu coração sentimentos de revolta contra o pai ou marido, seus seios passam a ter problemas. Nódulos, mastite ou tumores nos seios significam descontentamento ou ressentimento profundo em relação às pessoas que desempenha o papel simbólico de pai, tais como marido, sogros, cunhados, etc.

Acredito que essa revolta pode ser também direcionada a mãe ou outras mulheres levando em consideração a lateralidade do corpo. Tem haver com ter peito para ação ou peitar o outro. Quando alguém parte pra briga estufa o peito. Quantas vezes você ouviu uma ofensa, à raiva subiu pelas veias até o peito e você fechou os punhos mas se encolheu? Talvez você não pudesse peitar o outro porque sairia perdendo, talvez fosse um de seus pais ou responsáveis, talvez não agir fosse o melhor a fazer. Mas pra onde foi a ofensa, raiva e agressividade? Se você não deu vazão a ela mais tarde através de alguma atividade, ou gritando e socando o travesseiro, ela não explodiu mas foi implodida e talvez a implosão tenha se tornado um hábito que vai acumular toxidade até seu corpo finalmente mostrar os sinais. Pessoas aparentemente pacíficas adoecem aos montes por carregarem muita agressividade. Não comprar briga por não tomar a ofensa é uma coisa, aqui você encontrou a paz e não se importa. Se sentir ofendido, com raiva e calar é outra coisa, ainda que seja uma atitude pacífica você está levando a guerra consigo. Você implode e isso não é ser pacifico consigo mesmo. Então consciente disso você pode continuar fazendo a escolha pacífica com o outro quando convir a ambos e evitar conflitos mas deve reconhecer seus sentimentos sobre a experiência e dar vazão a eles de alguma forma. Mais tarde você pode voltar àquela pessoa e expressar seus pontos de vista e dizer como você se sentiu a respeito do que ouviu ou da situação de forma ponderada, sem ira ou intenção de vingar-se, ferir ou ofender porque já liberou isso. Mas é importante para saúde se expressar e impor limites saudáveis. Aquilo que você não fala, você ressente.

Os seios representam o princípio materno. Quando há problemas com os seios, isso geralmente significa que estamos ” cuidando demais “, seja uma pessoa, um lugar ou uma coisa, ou uma experiência … Se o câncer está envolvido, então é também profundo ressentimento “. – Louise L. Hay

Como seios estão ligados a maternidade é preciso respeitar a mãe em nós ainda que desempenhar esse papel na vida não faça parte das nossas escolhas. Atualmente o feminismo está em alta e ser mãe não é prioridade ou regra, embora o feminismo tenha muitas pautas e deve ser celebrado, é preciso entender que para ser feminista não é necessário abrir mão da feminilidade. A mulher tem qualidades intrínsecas que são ligadas à maternidade, a ciclicidade e ao feminino. Somos sensíveis sim e isso é um dom não uma fraqueza, usamos nossa sensibilidade para tocar outros, somos maternais e ainda sim temos o direito de escolher não sermos mães, mas nos sentimos compelidas a cuidar dos outros, então usamos essa qualidade com quem amamos ou no trabalho que amamos, damos vida a sonhos, os nutrimos e os fazemos crescer.

Eu te desejo paz sobre todas as coisas.

A serviço e da luz e da lucidez

@Interconexão

Se você acha isso útil, compartilhe com outras pessoas !


Livros sobre esse assunto:

Afrodite-se

Quando Afrodite está ativa e presente em nosso íntimo, um magnetismo pessoal nos induz a caminhar em um campo eroticamente carregado de intensa paixão pela vida, sensualidade e criatividade. Nos tornamos mais atraentes e vibrantes. Há uma magia no ar e um estado de encantamento é evocado.

A mulher Afrodite se apaixona com facilidade e com frequência, ela se sente transformada pelo amor e transforma o objeto de seu amor. Isso é uma coisa natural e bela, mas as religiões e culturas patriarcais reduziram essa imagem à da sedutora ou prostituta. Uma mulher de Afrodite pode então se sentir imoral ou em desacordo com a sociedade por desejar expressar sua inclinação natural em relação ao amor e à sensualidade. Também reduz os aspectos mais divinos desse amor ao seu elemento básico, que, uma vez separado do ideal, se torna vazio e sem sentido. Esta representação da mulher Afrodite diminui sua auto-estima e, eventualmente, deixará seu sentimento desconectado e cortado de seu verdadeiro poder.

Negação : Se uma mulher é criada em família que menospreza a sexualidade, então ela pode tentar negar esse aspecto de si mesma. Ela pode minimizar sua atratividade e reprimir seus sentimentos sexuais, que podem levar à ansiedade e à culpa. Se ela conseguir fechar essa parte de sua psique, perderá a profunda alegria e criatividade que esse arquétipo a presenteia.

Seja mais lenta em Julgar-se e em julgar outras mulheres por suas escolhas, suas ações, aparência ou comportamento. Observe que você pode estar rotulando a partir da visão patriarcal que por temer o poder feminino o tornou submisso, medíocre e sujo. Toda mulher carrega essa ferida interna. Toda mulher também carrega dentro de si a esposa e a amante, a mãe e a filha. Na linhagem ancestral todas “já foram “a esposa, a amante, a prostituta, a que a abortou, a que criou os filhos, a que os abandonou, a que foi fiel ao marido, a que traiu. É preciso considerar isso antes de condenar. É preciso respeitar os destinos todos tal como são, e as pessoas todas tal como são e o que elas fazem/fizeram que se tornou o seu destino também, só assim você se liberta.

Para ativar a deusa interior Afrodite precisa reconhecer onde você está a bloqueando ou a negando, é preciso estar disposta a deixá-la fluir, desfazendo-se das crenças que lhe foram impostas sobre ser mulher e ser uma “boa menina”… liberar portanto a vergonha dos seus próprios desejos, do seu corpo, a negação da feminilidade e sensualidade. Trabalhar a autoestima e o amor próprio, principalmente em torno da aceitação do corpo e da apreciação da própria beleza. A Mulher que deseja buscar a consciência perdida de Afrodite precisa começar a amar e acalentar o seu corpo, tal como ele é.

Dance com Afrodite

A dança tem sensualidade e expressão. Saia para dançar com os amigos, faça um curso de dança, ou se a ideia te parece muito difícil, comece dançando sozinha em casa…dance para si mesma … dance com Afrodite.

Quando estiver confortável com seu corpo, seus movimentos e sua sensualidade, a energia desse arquétipo estará fluindo através de você. E você será capaz de fazê-lo em companhia de outros, sem vergonha, sem medo.

Cristal de Afrodite

Pegue um cristal de quartzo rosa, pedra de Afrodite e banhe-o em solução de água com sal marinho. Deste modo, limpará e neutralizará todas as energias indesejáveis.

Depois pegue o cristal e carregue-o segurando-o em sua mão, para impregná-lo de sua energia e absorver a dele. Solicite neste momento, os poderes da Deusa Afrodite e que ela lhe traga a pessoa que seja correta e destinada para você. Ou peça para ela lhe ajudar a se apreciar e se amar mais.

Coloque o cristal em uma bolsinha de cetim vermelha, cobre ou verde para guarda-la.

Outra opção de incluir essa energia no dia a dia é usar o quartzo rosa como pingente.

Banhos de Afrodite

As flores sempre foram associadas a todas as deusas do amor e beleza, pois elas representam a sexualidade da natureza.

As principais flores associadas com Afrodite são: a rosa vermelha, o jasmim, a orquídea, papoulas e o hibisco.

Prepare um chá com uma ou algumas dessas flores e após seu banho, derrame em si dos ombros para baixo. Coloque-as na banheira ou faça um escalda pés…

Se puder, polvilhando-o com pétalas de rosas vermelhas, declarando mentalmente toda a sua paixão e desejo.

Sinta-se e diga que é tão bela e atraente quanto Afrodite. Permaneça um bom tempo mergulhada neste tipo de pensamento, depois pode pegar a toalha e enxugar-se.

A seguir faça uma delicada massagem facial-corporal com óleo de essência de rosas. Deste modo, liberará todas as suas tensões e o odor de rosas se exalará invocando assim todos os seus efeitos aromáticos que são afrodisíacos.

Você pode acender uma vela aromática e/ou incenso enquanto toma esse banho, faça dele algo agradável para você, criando um ambiente aconchegante para si mesma.

A mulher Afrodite ama o aspecto sensual da comida. Abrace isso, fazendo smoothies coloridos e pratos de frutas e legumes frescos. Tome seu tempo na preparação, tornando-os uma coisa de beleza para nutrir a mente e a alma, assim como o corpo.




CONECTANDO-SE COM AFRODITE

Deite-se e relaxe. Inspire e expire profundamente por seis vezes.

Em seguida imagine-se em um jardim cheio de rosas e orquídeas, douradas pelo pôr-do-sol, cujo perfume é carregado por uma suave brisa. Tal brisa acariciará seu rosto, massageará seus cabelos, e seu corpo. Delicie-se ingenuamente e chame Afrodite. Um movimento sutil no ar anunciará sua presença. Ela lhe estenderá a mão e a convidará para um passeio. Vislumbrará então uma grande floresta, um de seus locais de poder. Neste templo de árvores e pássaros, respire profundamente o cheiro da terra e o perfume das flores selvagens. Escute a música delicada dos pássaros. Afrodite lhe ofertará um presente: uma orquídea. Sinta e incorpore o seu aroma. Neste momento uma pomba pousará em seu braço. No olhar deste mágico ser você poderá compreender a beleza misteriosa da deusa Afrodite. Vários pássaros a sua volta cantarão uma linda uma linda melodia. Você deve dançar. Afrodite dançará com você e da floresta surgirão as graças e outras musas que dançarão também com vocês.

Visualize o infinito, pois a partir deste momento você terá em sua vida infinitas possibilidades de ser feliz, sendo você mesma, se assumindo, se aceitando e se amando.

Sinta o encanto, o prazer e a magia de ser você Por onde você pisa, brotam flores de todas as cores. Onde você passar neste mundo, despertará o amor e a beleza e sentirá feliz por ser você e estar viva.

Quando achar que está pronta, abrace Afrodite e agradeça os momentos maravilhosos que passaram juntas. Ela lhe conduzirá até a saída da floresta e depois você virá sozinha. Respire profundamente novamente e abra os olhos.

Eu te desejo paz sobre todas as coisas. @Interconexão

Se você acha isso útil, compartilhe com outras pessoas !

Cursos relacionados:


Artigo relacionado :Arquétipos das Deusas – Afrodite

Oração de Liberação da Dor Ancestral da Linhagem Feminina

Amadas mães, avós e irmãs…

Hoje e para sempre

Soltamos as recordações dolorosas que nos unem àqueles atos, pensamentos e sentimentos presentes na nossa linhagem feminina, onde está envolvida a linhagem masculina em seus piores aspectos.

Pelos maus tratos à nossa Essência Feminina em palavras, atos, pensamentos e sentimentos.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Onde a obrigação estava acima do amor

Onde a indiferença era aceita como algo “lógico” pelas nossas tarefas cotidianas.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Quando o descanso quase não existia, pois nosso ritmo de trabalho era muito além do nascer e do pôr do sol.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Quando o amor do homem para a nossa Essência Feminina era um ato para sua satisfação pessoal, esquecendo nossos sentimentos profundos de amor, nossa entrega cotidiana, nosso amor em silêncio apesar da desvalorização, a indiferença e a falta de amor.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Pelas memórias ancestrais de toda a nossa linhagem feminina familiar e mais além dela.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Pela cura total, pela liberação total de toda ferida de ontem e de hoje.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Hoje e para sempre nos perdoamos, nos amamos no respeito absoluto da nossa Essência Divina Feminina, para ser fonte viva de amor ilimitado.

Curando todo ressentimento.

Perdoando cada ferida recebida.

Amando a todos por igual.

Eu sinto muito.

Me perdoe.

Te amo.

Sou grata.

Renascemos em nós mesmas em nossa nova Linhagem Divina Feminina onde a paz, o amor, a compaixão e a misericórdia como laços de cura unem o separado, cicatrizam o machucado, soltam o rancor e a ira.

Renasce em equilíbrio perfeito onde o Feminino e o Masculino são livres, sãos e complementares.

Amantes do Amor Ilimitado.

Assim é, assim está feito.

(Tradução livre por Elisa Rodrigues de Oración de liberación del dolor ancestral del linaje femenino)

À medida que eu me desperto, desperto você. Eu te desejo paz sobre todas as coisas.

O Kali Maluhia no me oe.

Livros sobre esse assunto:


Existem outros artigos relevantes para esse assunto:


Sagrado Feminino; A Menstruação na Metafísica

📷interconexão

Renovação, desprendimento e aceitação da feminilidade.

A menstruação começa na puberdade e continua até a menopausa, aproximadamente quarenta anos mais tarde. A menstruação marca o início de um novo ciclo da mulher. Ela surge porque não ocorreu a fertilização do óvulo.

Durante o período de ovulação, existe uma orquestra de hormônios para favorecer a reprodução. É como se o organismo se mobilizasse para criar condições propícias à gravidez.

Como ela não ocorre, o processo é revertido, dando início à menstruação.

Com a menstruação surge uma significativa mudança no corpo da mulher.

A menstruação representa um importante marco metafísico desprendimento e da renovação. Metafisicamente, ela expressa a necessidade do desapego das pessoas, das experiências vivenciadas, das próprias idéias formuladas, etc., dando abertura para o novo.

A menstruação é uma experiência mensal no corpo da mulher que exercita sua habilidade de adaptar-se ao novo. A maneira como a mulher reage às mudanças na sua realidade vida, como a ruptura de um relacionamento afetivo ou, ainda, ser privada de usufruir de algo bom, vai influenciar no ciclo menstrual.

Quando ela consegue fazer suas transições sem maiores danos emocionais, isso influencia positivamente nos ciclos menstruais. Já, quando as mudanças em sua vida são encaradas de maneira trágica, e a transição é feita à base de muitas turbulências, isso poderá interferir nos ciclos, causando os distúrbios menstruais.

A experiência feminina desenvolve a habilidade para lidar com significativas transições na vida, facultando à mulher melhores condições para lidar com esses processos. O mesmo não ocorre com o homem; eles encontram mais resistência para mudar seus valores internos, alterar o curso de uma situação ou, ainda, superar um rompimento na relação com a pessoa amada.

Geralmente a mulher tem mais fibra do que o homem para lidar com esses eventos. A experiência da maternidade, por exemplo, exige da mulher essa capacidade de profundo envolvimento, seguido do desprendimento.

No início da gravidez ocorre uma espécie de fusão energética com o ser que está sendo gerado por ela. O elo entre a mãe e o bebe no útero é a maior integração que se pode alcançar com um outro ser. Durante a fase da gestação, o bebe torna-se praticamente parte do seu próprio ser.

No parto, a mulher vivência uma grande ruptura. O bebe é praticamente arrancado dela e passa para seus braços. Esse processo só não é mais complicado porque a mulher é compensada com a presença do filho nos braços, e pode contemplá-lo a todo instante.

Mesmo assim, algumas mulheres entram em depressão pós-parto, tamanho o abalo causado por esse processo.

Mais tarde, quando ele sai de casa para seguir sua própria, trajetória de vida, longe da mãe, essa é mais uma grande mudança na vida da mulher: ver seu filho deixando o lar.

A natureza exige da mulher uma grande fibra para suportar as grandes transições menstruais. Alguns outros sinais são evidentes nas mulheres que não fazem uma boa transição da infância para a maturidade; elas apresentam expressões infantis na fala e no comportamento. Tudo aquilo que exige atitudes maduras de sua parte será prorrogado em virtude da sua imaturidade emocional.

A orientação sexual recebida na adolescência contribui significativamente para a formação emocional da mulher. Informações exageradas em relação à higiene e com excesso de moralismo, como ter que lavar as mãos todas as vezes que for trocar o absorvente íntimo; ter que corrigir até a maneira de sentar-se na frente dos outros; não poder mais brincar com os meninos como antes, etc., são nocivas. Caso a adolescente, ao receber essas informações, dê importância a isso tudo, poderá reprimir sua espontaneidade e desenvolver a crença de que a menstruação é suja.

Acreditando nisso quando se encontra menstruada, a mulher sente-se feia e suja, imediatamente procura isolar-se dos outros, até mesmo do próprio parceiro. A sensação de sujeira facilmente é projetada no sexo; a mulher passa a encará-lo como, impuro e selvagem.

É comum essas mulheres apresentarem mania de limpeza também na casa.

Para sanar os problemas menstruais é imprescindível que as mulheres reformulem sua concepção de feminilidade, aceitando sua condição de mulher. E, ainda, não façam tanto drama diante do novo.

Aceite o fato de que na vida tudo tem um início, meio e fim. Encare o término de um ciclo de vida como o início de um novo processo que compõe a experiência humana.

AMENORREIA

Regressão na maturidade feminina.

Apego a situações ou pessoas que foram marcantes na sua vida.

A ausência de menstruação só é considerada amenorréia quando for superior a três meses. Isso em mulheres que mantinham os ciclos menstruais relativamente normais, ou que não estejam grávidas.

Metafisicamente, a amenorréia é conseqüência de um retrocesso no amadurecimento emocional e sexual. Ela pode ocorrer decorrência de um rompimento dramático no relacionamento com a pessoa amada, ou a perda de um ente querido. Isso provoca um sentimento de rejeição, desencadeando a depressão.

Ao se deparar com fatos que promovem drásticas mudanças no curso de sua vida, a mulher não procede de acordo com a existência da situação. Em vez de reagir com determinação diante das transições, nega a existência dos episódios, isolando-se em seu mundo interior. Prefere viver na ilusão de que aquilo não está acontecendo e tudo vai voltar a ser como antes do que encarar os fatos.

Essa maneira de reagir aos acontecimentos não é uma atitude mulher madura, mas sim infantil. Ela começa a regredir comportamentos, apresentando posturas infantis. O organismo responde à condição de imaturidade emocional com a suspensão dos ciclos menstruais.

A ausência de menstruação, fisicamente, pode ser apenas sintoma da anorexia nervosa. Esta, metafisicamente, é decorrente da não-aceitação da perda de controle sobre uma situação importante da vida da mulher, bem como da recusa dos fatos turbulentos que perturbaram a harmonia da convivência, causando profundo abalo emocional e muita tensão.

Viver sob tensão constante também provoca a suspensão da menstruação.

Em suma, a amenorréia está relacionada a complicações de ordem emocional, comprometendo o estado psicológico da mulher, bem como recusas da realidade feminina, e ainda pode ser causada pelo rompimento de uma relação com pessoas que são muito significativas para sua vida afetiva.

Para reverter esse quadro físico é importante adotar novas posturas de vida que metafisicamente favoreçam na regularização dos ciclos menstruais. Aceitar a realidade, por mais dura que ela seja, permitirá a você constatar benefícios futuros; nessa vida nada é por acaso, tudo tem uma razão de ser.

Mantenha a sua maturidade, reaja com igualdade aos episódios que se desenrolam ao seu redor. Em nenhum momento inferiorize-se ou sinta-se frágil diante dos grandes desafios.

Seja forte, pois os momentos tempestuosos vão passar e a harmonia vai reinar novamente em sua vida.

MENOPAUSA

Maturidade emocional da mulher.

A menopausa é uma das várias alterações naturais que ocorrem na mulher durante a vida. Está longe de ser uma doença; ela assinala o fim da capacidade reprodutiva. Ocorre porque os ovários vão deixando de produzir os dois principais hormônios que controlam a menstruação – estrógeno e progesterona.

Não se trata de um processo repentino, ele pode durar de quatro a cinco anos.

Durante esse período a mulher pode vir a ter menstruações irregulares, com intervalos cada vez maiores chegando a ficar vários meses sem menstruar e depois voltar a fazê-lo.

Cólica Menstrual

Metafisicamente, problemas menstruais refere-se a dificuldade de lidar com as mudanças. No tocante a cólica refere-se a apego. Permanecer apegado a uma situação e não realizar as transições necessárias.

Na vida muitas mudanças ocorrem, é necessário que a mulher desenvolva a capacidade de realizar as transições para manter a harmonia da convivência. Avalie o nível de apego que evitou a renovação em algum setor da vida. É importante trabalhar o desprendimento e reforçar o propósito de adaptar-se as diversas situações da vida.


LIVROS SOBRE ESSE ASSUNTO:


Sagrado Feminino; A Consciência do Útero

ÚTERO

Natureza feminina. Originalidade e espontaneidade.

É o órgão da gestação e o principal agente de expulsão trabalho de parto; também promove a menstruação.

Fisiologicamente, quando o útero não está desempenhando sua principal função de gestação, permanece no corpo da mulher somente para promover a menstruação. No entanto, metafisicamente ele representa um importante referencial do ser vivo.

A alma é a fonte da vida; sendo o útero o berço que embala a existência de um ser, ele representa a natureza íntima da mulher.

As boas condições uterinas são preservadas por quem concretiza seus objetivos,realizando-se no ambiente em que vive, sem sabotar a originalidade e a espontaneidade

Cada um de nós é dotado de um estilo original, que não deve ser corrompido ao longo da vida. As orientações recebidas das pessoas mais experientes servem de diretrizes, mas nunca um modelo a ser seguido na íntegra. Os conselhos acerca de como devemos proceder numa situação precisam ser ouvidos, mas a forma de proceder frente à situação tem que estar de acordo com nosso perfil.

A espontaneidade é uma qualidade do ser que possibilita a vertente das qualidades internas.

Caso uma pessoa venha a ser bem-sucedida por agir de uma determinada maneira, é porque foi autêntica. Ao copiarmos o modelo de sucesso praticado pelos outros, estamos deturpando o nosso jeito de ser e perdendo a oportunidade de desenvolver nossos próprios talentos. Afinal, podemos fazer as mesmas coisas que os outros, porém, com o nosso estilo.

Os resultados obtidos serão praticamente os mesmos, acrescidos ainda do sentido de realização pessoal. Desse modo, preservamos a integridade, que é um conteúdo indispensável para a felicidade. Ao passo que deixarmo-nos moldar pelo meio em que vivemos gera a frustração que nos arrasta à infelicidade.

Quem não confia em si mesmo facilmente perde a originalidade. Aquela mulher que não tem suporte interior para assumir seus próprios atos acomoda-se a seguir o roteiro apresentado pelos outros; assim, caso não seja bem-sucedida daquela maneira, terá a quem responsabilizar.

Quando se estabelece uma convivência com alguém que se ama, compartilhando de uma vida em comum, é muito fácil moldar-se ao outro. Obviamente, é necessário haver uma adaptação de hábitos e costumes para manter a harmonia no relacionamento. No entanto,algumas mulheres levam isso a termo, reprimindo-se diante do parceiro.

Essa conduta é porta para os insucessos afetivos. A anulação de si no relacionamento não fortalece os laços nem tampouco une os casais; ao contrário, desgasta o sentimento e distancia as pessoas. Entretanto, a autenticidade de ambos promove a verdadeira união e intensifica o sentimento, proporcionando a felicidade conjugal.

Assuma um posicionamento diante dos outros, respeite o seu jeito de ser. Admita que você é parte integrante do meio em que vive, atue de maneira original e conquiste seu espaço na vida.

Existe na realidade uma lacuna a ser preenchida com seus conteúdos. Caso você não se coloque nela, os outros interferirão no seu desempenho, invadirão esses espaços e até intervirão no seu mundo interior, exigindo que você se adapte ao modo estabelecido por eles.

Não permita que os outros interfiram na sua maneira de ser e fazer a ponto de anularem sua essência.

Fundamente sua vida nos valores internos; não se renda aos fatos para não comprometer sua experiência pessoal.

Não perca a oportunidade de viver intensamente sua trajetória. Cada gesto seu é uma sensação nova que você experimenta na vida. Sua manifestação representa o maior fenômeno na vida.

A natureza solicita a todo instante sua interação com a realidade. A originalidade marca a sua presença no ambiente, melhora o seu desempenho e contagia todos que o rodeiam.

PROBLEMAS NO ÚTERO

(miomas e fibromas)

Deixar-se moldar pelo externo.

Não preservar sua natureza intima.

O útero é estimulado diariamente por hormônios e desnudado mensalmente em virtude da menstruação. O colo do útero, por exemplo, é extremamente vulnerável ao surgimento de vários tipos de tumores, benignos e malignos.

Dentre os principais tumores benignos destacam-se os miomas, que se formam a partir dos tecidos musculares do útero; e os fibromas, que são minores constituídos principalmente por tecido conjuntivo fibroso que compõe o útero.

Metafisicamente, o útero é afetado quando a mulher se distancia das suas características básicas, assumindo posturas de vida que não correspondem a sua maneira de ser. Geralmente isso ocorre por ter sido muito criticada ou, ainda, por ter tido os piores resultados ao agir de acordo com seus princípios.

Ao perder a originalidade, a mulher passa a viver em função do meio, moldando-se aos outros e assumindo papéis sociais ou familiares. Tenta ser uma esposa perfeita, uma mãe exemplar, uma amiga ideal, etc. Essa postura gera comportamentos que atendem aos modelos estereotipados pela sociedade; no entanto, ela não condiz com sua natureza íntima.

Portanto, o desejo de agradar aos outros ou adequar-se à sociedade pode sufocar a essência do ser que habita em cada um de nós. Essa conduta reflete no corpo em forma de complicações uterinas.

No mioma, metafisicamente a mulher culpa-se pelos transtornos vivenciados no emprego do seu próprio estilo numa determinada situação. Já no fibroma a mulher torna-se muito dura consigo mesma. Cobra de si uma conduta exemplar e não tolera os próprios fracassos.

Por isso, é importante refletir acerca de sua condição de vida. Não exatamente o conquistou em relação aos outros ou bens materiais; mas sim, quanto à preservação da individualidade e o cultivo de suas características peculiares, visto que isso promove, metafisicamente, a saúde uterina e também a realização pessoal.

Além do auto-abandono, convém avaliar também a maneira como você tem se relacionado consigo mesma, pois isso define a maneira como os outros vão tratá-la. Cada um recebe aquilo que cultiva no seu íntimo. Quem se abandona é esquecido; aquele que se anula, não é solicitado; a pessoa que não se valoriza, também não é valorizada, e assim por diante.

Procure proporcionar a você mesma tudo aquilo que espera dos outros; desse modo, você estará se preenchendo interiormente, bem como proporcionando condições para receber daqueles que a cercam algo que já existe em si mesma.

Assuma-se como mulher, com peculiaridades dignas de serem mantidas diante de quem quer que seja. Acredite, você é importante e especial. Caso os outros não tenham reconhecido os seus potenciais, valorize-se.

Procure se relacionar harmoniosamente com todos que a cercam. Estabeleça os acordos da convivência de maneira a preservar seu estilo e manifestar seus sentimentos.

Não espere que os outros preservem aquilo que é especial para você. Lembre-se,tudo o que você sente só existe em você, ninguém, por mais que lhe queira bem, é capaz de avaliar o quanto algo é importante para você, pois é você quem está sentindo. Por isso, não dependa exclusivamente da aprovação dos outros para realizar aquilo que é originalmente Seja fiel a sua natureza íntima, preservando-a. Não seja aquilo que os outros esperam de você. Encontre uma maneira de se relacionar com o ambiente e as pessoas sem comprometer a espontaneidade.

Metafisicamente, para resolver os problemas uterinos volte a ser quem você era no passado. Resgate suas próprias características, que foram deturpadas no curso da sua existência relacionamentos turbulentos e os papéis assumidos turvaram a percepção de si mesma, mascarando seus sentimentos; encontre-se e resgate sua originalidade.

Valcapelli e Gasparetto .

O Kali Maluhia no me oe . Eu te desejo paz sobre todas as coisas.


Livros Sobre esse assunto:

O Sagrado Feminino; Os Ovários Na Metafísica

A Interconexão do sintomas físicos e psicoemocionais

“Metafísica” é o título de uma obra de Aristóteles composta por quatorze livros sobre filosofia geral.

O significado da palavra Metafísica é: Meta = além e Física = matéria, ou seja, tudo o que está além do físico e seus aspectos causais e não simplesmente aquilo que estiver além do fato em si.

A metafísica parte do princípio de que é a alma quem organiza a matéria e não a matéria quem cria a essência. O que diferencia a metafísica das ciências particulares é que a metafísica considera o “inteiro” do ser total enquanto as ciências particulares estudam apenas “partes” específicas do ser.

Segundo a Metafísica da Saúde, os potenciais femininos estão associados às condições do aparelho reprodutor. De modo geral, a aceitação das suas próprias características femininas e a autoestima são componentes emocionais decisivos para a saúde dos órgãos reprodutores femininos. As funções de cada órgão equivalem a determinados talentos e aspectos da mulher, como a seguir.

OVÁRIOS

São órgãos pares que produzem óvulos depois da puberdade. Frequentemente nos referimos a eles como os principais órgãos reprodutores da mulher.

A atividade dos ovários é controlada pela hipófise. As principais funções dos ovários consistem no desenvolvimento e expulsão do óvulo feminino, bem como na produção de hormônios, cujos principais são o estrógeno e a progesterona.

No âmbito metafísico, o ovário corresponde à capacidade criativa da mulher. Criatividade é a capacidade de administrar os imprevistos, encontrar maneiras de superar os obstáculos do cotidiano e alcançar os seus objetivos.

Para que a criatividade se manifeste é necessário estar ligado ao presente, ser espontâneo e não temer errar, expondo-se livremente.

Não se pode ter receio de ferir suscetibilidades nem tampouco ficar constrangido perante os outros.

Quando a pessoa busca alternativas para solucionar as situações, ela está se abrindo para a manifestação de sua criatividade.

As ideais que se tem acerca de como sanar um problema podem não resultar em soluções imediatas. Mesmo assim, é deixar que elas fluam espontaneamente, para que novas ideias possam vir, a fim de resolver a situação.

Muitas mulheres se atêm mais à concretização de suas ideias do que à capacidade de tê-las. Isso faz com que se sintam frustradas por não conseguirem concretizar imediatamente seus intentos.

Vale lembrar que nem sempre uma ideia é viável para aquele momento; isso não significa que se deva bloquear o fluxo criativo. Dentre tantas suposições podem surgir grandes sacadas. Ao nos tornarmos criativos damos abertura ao fluxo dos conteúdos internos, permitindo à inteligência emergir no consciente.

Não se desenvolve a inteligência sem dar vazão à criatividade.

No tocante à função física e metafísica dos hormônios produzidos pelos ovários, destacam-se os seguintes aspectos:

O estrógeno é responsável pelo controle e desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários da mulher, tais como: o aumento de volume das mamas, a armazenagem de gorduras nos quadris e nas nádegas, a fixação de cálcio nos ossos, além do crescimento dos pelos axilares e pubianos. Ele também promove o crescimento da mucosa que reveste a parte interna do útero.

Metafisicamente a produção desse hormônio relaciona-se com a aceitação da feminilidade.

A mulher que é bem resolvida na sua natureza feminina, que vai em busca de seus objetivos, sentindo-se segura de si e em condições de ser bem-sucedida na vida, mantém o nível de estrógeno em equilíbrio no organismo.

Quanto à progesterona, ela diminui fisiologicamente a frequência das contrações uterinas para favorecer a implantação do óvulo, caso ele seja fecundado naquele ciclo, dando início ao desenvolvimento do embrião.

Além disso, a progesterona estimula o desenvolvimento das glândulas mamárias. Esse hormônio é responsável pela procriação na mulher.

Metafisicamente, quando a mulher preserva sua natureza de ser, cultiva os laços afetivos com as pessoas da convivência, dedica-se a melhorar as condições do meio em que vive, sem perder o referencial de si mesma, solidificando seu caráter, suas taxas de progesterona permanecem dentro da normalidade.

SÍNDROME DO OVÁRIO POLICÍSTICO

CONFUSÃO MENTAL. DIFICULDADE DE EXPOR SUAS IDÉIAS.

É um distúrbio que envolve a função do hipotálamo e da hipófise, causando a ovulação crônica. Pode estar envolvido com a obesidade e a suspensão da menstruação (amenorreia) ou, em vez disso, surgir sangramento uterino irregular.

Provoca o surgimento irregular de pelos no corpo.

As mulheres afetadas por essa disfunção ovariana possuem uma boa capacidade criativa.

Quando é para aplicá-la em benefício dos outros, imediatamente viabilizam excelentes ideias para sanar os problemas alheios; mas, em se tratando dos emaranhados que afligem a si mesmas, nada conseguem fazer para solucioná-los.

Existem sentimentos ambivalentes nessas mulheres; elas sabem que podem fazer muito em benefício de uma situação, entretanto, não colocam em prática suas ideias.

Pensam em diversas possibilidades, mas não conseguem concretizar nenhuma. Têm medo de errar, de ser criticadas ou reprovadas por aqueles que estão a sua volta.

Há momentos em que não sabem o que fazer, num outro instante ficam repletas de perspectivas, querendo fazer tudo ao mesmo tempo. Falta-lhes o bom senso no emprego de sua capacidade criativa.

A confusão mental é a maior responsável pelo bloqueio da criatividade.

Não ficam atentas às situações presentes, deslocam-se ao passado, lembrando dos fracassos de outrora e imediatamente projetam-se para o futuro, preocupando-se com os resultados daquilo que fizerem hoje.

Essa desordem dos pensamentos reduz sua concentração, dificultando a manifestação da sua criatividade.

Organizar-se interiormente é indispensável para essas mulheres. Procurar fazer cada coisa no seu devido tempo; não se lamentar por tudo que fizeram ontem, nem tampouco se programar para o amanhã.

O mais importante é serem presentes e atuantes na realidade. Deixar fluir livremente as idéias pertinentes aos fatos que se desenrolam a sua volta.

Também não devem se culpar pelos problemas. O fato de não conseguirem solucioná-los não significa que são responsáveis por eles existirem.

A culpa e a auto cobrança agravam ainda mais suas dificuldades em lidar com a criatividade.

O sintoma de sangramento uterino, comum nas mulheres afetadas pelo ovário policístico, revela o quanto elas estão perdidas e desorientadas mentalmente.

Distantes de si mesmas ao ponto de não saberem ao certo se devem mesmo fazer algo em benefício próprio. São tão reprimidas que não sabem ao certo qual o seu papel na vida.

Ficam perdidas todas as vezes que vão fazer algo por si, ou quando tentam fazer as coisas do seu jeito.

CISTOS de OVÁRIO

CRIATIVIDADE SUFOCADA. CULPA PELAS IDÉIAS QUE DERAM ERRADO.

É uma bolsa cheia de líquido que se forma dentro ou ao redor do ovário, podendo provocar dor na região pélvica, atraso na menstruação ou dificuldade para engravidar.

Metafisicamente, os cistos de ovário representam a contenção da energia criativa.

O recalque da criatividade pode ocorrer numa mulher que não se julga capacitada o bastante para criar algo de proveitoso para o seu meio, restringindo sua participação ativa no ambiente.

Delega aos outros o poder de decisão. Não assume uma postura diante dos problemas. Quando se vê cercada por alguma dificuldade, recorre às pessoas do convívio para que solucionem as dificuldades que ela tem na vida.

Trata-se de mulheres dependentes dos outros, que se sentem frustradas e sufocadas, não conseguindo manter um bom desempenho nas questões mais delicadas que surgem no seu caminho.

Esse estado emocional foi desencadeado pelo fracasso das ideias; suas sugestões foram o principal fator desencadeador de uma série de transtornos para si e para os outros.

Culpam-se pelo emprego indevido de sua criatividade e por todos os danos causados pelas ideias desastrosas que um dia tiveram.

Hoje preferem não dar mais palpites nas situações, assim poupam-se de mais embaraços com suas sugestões.

São inseguras, principalmente na frente dos outros. Pensam muito antes de dar qualquer opinião. Dependem da aprovação dos outros.

Não querem se expor ao ridículo com ideias infundáveis, para não serem alvo das críticas dos outros.

As maiores reprovações que alguém pode receber não são aquelas que advêm dos outros, mas sim, de si mesmo.

Quando a pessoa começa a criticar suas próprias ideias, achar que é besteira de sua cabeça e que jamais aquilo dará certo, ela estará se reprovando, consequentemente, reprimindo o fluxo de sua criatividade.

Não confiar na sua própria capacidade de administrar os obstáculos fragiliza as pessoas, tornando-as dependentes do apoio e da ajuda dos outros.

Essas atitudes das mulheres provocam frustrações e isolamento e, metafisicamente, podem também causar problemas ovarianos, tais como formações de cistos.

Para reverter essa condição interna e conquistar o bem-estar físico e emocional é necessário reconhecer o valor das suas idéias, permitir que elas fluam livremente, sugerindo-as diante de todos que estão a sua volta; permitir-se ser quem você é, não depender da aprovação dos outros, mas sim aprovar-se; sentir-se segura de si mesma e propor-se a tentar solucionar qualquer emaranhado da vida.

Não permita que os resultados desastrosos obtidos no passado bloqueiem sua criatividade presente; deixe verter da alma os apontamentos que indicam soluções, ainda que elas não advenham de um primeiro palpite.

Outros virão, aproximando você da solução dos problemas. Independente do desfecho de uma situação, o importante é participar do contexto.

Esteja sempre do seu lado, nunca contra si mesma, para não se culpar de nada que você faça. A culpa advém de um posicionamento a favor dos outros e contra si.

Por mais que no passado sua posição não tenha sido a contento dos outros, foi um posicionamento seu e isso tem um valor muito grande para si mesma. Não reprima sua força criativa, dê vazão a ela e seja autêntica.

TUBAS UTERINAS

ELABORAÇÃO DAS IDÉIAS. MANEIRA COMO SE EXPRESSA A CRIATIVIDADE.

Anteriormente conhecidas como trompas de falópio, as tubas uterinas são dois tubos musculares flexíveis, em forma de cornetas, medindo aproximadamente 12 cm de comprimento.

Formam uma espécie de canais que captam o óvulo assim que ele é liberado de um dos ovários, conduzindo-o em direção ao útero. E’ também onde ocorre a fecundação do óvulo.

Metafisicamente, as tubas uterinas estão relacionadas com a maneira que a mulher utiliza para expressar suas ideias, os argumentos utilizados para dar consistência àquilo que sugere, a capacidade de convencer os outros, de traçar uma linha de raciocínio que fundamente sua criatividade, possibilitando os meios de pôr em prática suas ideias, contando, inclusive, com a colaboração de todos.

A maneira como a pessoa apresenta suas ideias é tão importante quanto ter grandes ideias.

Uma boa apresentação de um ponto de vista é fundamental para conquistar a simpatia daqueles que compartilham da mesma situação, bem como para contar com a colaboração deles no sentido de averiguar a possibilidade sugerida.

Pode-se dizer que uma pessoa convincente transforma uma simples ideia em algo fabuloso, contagiando todos que estão envolvidos com o mesmo contexto, ao passo que a falta de habilidade para expor a criatividade faz com que a pessoa tenha excelentes ideias, porém não consiga transmiti-las. Por melhor que sejam suas “sacadas”, ninguém se motiva a averiguar aquela possibilidade, desperdiçando uma provável solução, somente porque ela não foi devidamente explicada, com uso de fortes argumentações.

Para ser convincente é necessário confiar em si mesmo. As pessoas seguras e determinadas, que não dependem da aprovação dos outros, colocam-se por inteiro naquilo que estão criando. Não ficam acanhadas para dar sugestões, nem tampouco preocupam-se com as opiniões dos outros. Também não depreciam suas próprias ideias, imaginando ser tolice as alternativas que surgem em sua mente; elas confiam naquilo que pensam. Essa atitude é fundamental para que a pessoa tenha fortes argumentos, para apresentar uma possibilidade que subitamente surge em sua mente.

Os problemas das tubas uterinas, metafisicamente, afetam as mulheres que não têm bom desembaraço para expor suas ideias aos outros. Têm medo de dar opiniões e ser criticadas. Quando vão sugerir algo, são subjetivas, ficam fazendo rodeios ao assunto e não colocam argumentos que mostrem o quanto suas ideias são cabíveis à situação. Ninguém fica convencido de que realmente vale a pena averiguar aquela possibilidade apresentada. O descrédito não é apenas dos outros, elas mesmas não ficam entusiasmadas a traçar um plano para colocar em prática seus intentos.

Por melhor que sejam as alternativas desvendadas por elas, não viabilizam condições para concretizá-las. Falta-lhes determinação para realizar sua criatividade.

São mulheres que não dependem somente da aprovação daqueles que as cercam, mas também são dependentes da colaboração de todos; pois não possuem auto estimulação e nem tampouco sabem gerenciar suas próprias atividades no sentido de concretizar aquilo que criam.

Há um fato curioso que frequentemente surge na vida dessas mulheres: elas dão boas sugestões, que não são acatadas por ninguém do grupo.

Depois de algum tempo, todos concluem que só há uma alternativa para solucionar o problema; curiosamente, é a mesma que elas tentaram falar anteriormente; porém, não conseguiram bons argumentos para convencer as pessoas do valor de suas ideias, que depois surgem como a única solução.

Situações como essas são frequentes na vida das mulheres que apresentam problemas nas tubas uterinas. Isso é causa de grande frustração e até mesmo revolta com as pessoas da convivência. Elas projetam suas frustrações nos outros, dizendo ser incompreendidas por todos, quando na verdade o maior problema não está na capacidade de compreensão dos outros, mas sim na dificuldade que elas apresentam de elaborar bons argumentou para as suas ideias.

Pode ser que a mulher esteja se sentindo presa, inconformada, entediada, limitada em alguma ou diversas áreas de sua vida, com algo ou alguém, ou pode ser que , por conta de seu núcleo familiar e social, tenha incorporado crenças sobre o que significa ser mulher que a deixam doente.

é importante observar-se em busca de mensagens negativas que podem ter sido interiorizadas na infância a respeito de ser uma mulher

Compilação

Valcapelli e Gasparetto