Tomar a Vida, aceitar pai e mãe – Ordens do Amor

Direi primeiro alguma coisa sobre as ordens do amor entre pais e filhos e, do ponto de vista da criança, isto é, do filho para com seus pais. Aqui menciono algumas verdades banais. Elas são tão óbvias que eu quase me envergonho de citá-las. Não obstante, são freqüentemente esquecidas.

O primeiro ponto é que os pais, ao darem a vida, dão à criança, nesse mais profundo ato humano, tudo o que possuem. A isso eles nada podem acrescentar, disso nada podem tirar. Na consumação do amor, o pai e a mãe entregam a totalidade do que possuem. Pertence portanto à ordem do amor que o filho tome a vida tal como a recebe de seus pais. Dela, o filho nada pode excluir, nem desejar que não exista. A ela, também, nada pode acrescentar. O filho é os seus pais. Portanto, pertence à ordem do amor para um filho, em primeiro lugar, que ele diga sim a seus pais como eles são — sem qualquer outro desejo e sem nenhum medo. Só assim cada um recebe a vida: através dos seus pais, da forma como eles são.

Esse ato de tomar a vida é uma realização muito profunda. Ele consiste em assumir minha vida e meu destino, tal como me foi dado através de meus pais. Com os limites que me são impostos. Com as possibilidades que me são concedidas. Com o emaranhamento nos destinos e na culpa dessa família, no que houver nela de leve e de pesado, seja o que for.

Essa aceitação da vida é um ato religioso. É um ato de despojamento, uma renúncia a qualquer exigência que ultrapasse o que me foi transmitido através de meus pais. Essa aceitação vai muita além dos pais. Por esta razão, não posso, nesse ato, considerar apenas os meus pais. Preciso olhar para além deles, para o espaço distante de onde se origina a vida e me curvar diante de seu mistério. No ato de tomar os meus pais, digo sim a esse mistério e me ajusto a ele.

O efeito desse ato pode ser comprovado na própria alma. Imagina-se se curvando profundamente diante de seus pais e dizendo-lhes: “Eu tomo esta vida pelo preço que custou a vocês e que custa a mim. Eu tomo esta vida com tudo o que lhe pertence, com seus limites e oportunidades”. Nesse exato momento, o coração se expande. Quem consegue realizar esse ato, fica bem consigo, sente-se inteiro.

Como contraprova, pode-se igualmente imaginar o efeito da atitude oposta, quando uma pessoa diz: “Eu gostaria de ter outros pais. Não os suporto como eles são.” Que atrevimento! Quem fala assim, sente-se vazio e pobre, não pode estar em paz consigo mesmo.

Algumas pessoas acreditam que, se aceitarem plenamente seus pais, algo de mal poderá infiltrar-se nelas. Assim, não se expõem à totalidade da vida. Com isto, contudo, perdem também o que é bom. Quem assume seus pais, como eles são, assume a plenitude da vida, como ela é.
Ordens Do Amor: Um Guia Para o Trabalho com Constelações Familiares

E algo que é próprio

Mas aqui existe ainda um mistério que não posso justificar. Com efeito, cada um experimenta que também tem em si algo de único, algo que é inteiramente próprio, irrepetível, e não pode ser derivado de seus pais. Isso também ele precisa assumir. Pode ser algo de leve ou de pesado, algo de bom ou de mau. Isto não pode julgar.

A pessoa que encara o mundo e sua própria vida com olhos desimpedidos pode ver que tudo o que ela faz obedece a uma ordem. Tudo o que ela faz ou deixa de fazer, tudo o que ela apóia ou combate, ela o realiza porque foi encarregada de um serviço que ela própria não entende.

Aquele que se entrega a tal serviço, experimenta-o como uma tarefa ou como um chamado, que não se baseia nos próprios méritos nem na própria culpa (quando for algo de pesado ou cruel). Ele foi simplesmente tomado a serviço.

Quando contemplamos o mundo desta maneira, cessam as diferenças habituais.

Falei até aqui sobre a ordem fundamental da vida. Foram-nos concedido termos pais e sermos filhos. E temos também algo de próprio.

Aceitar tudo o mais que nossos pais nos dão

Na verdade, os pais não dão aos filhos apenas a vida. Eles nos dão também outras coisas: alimentam-nos, educam-nos, cuidam de nós e assim por diante. Convém à criança que ela tome tudo isso, da forma como o recebe. Quando a criança o aceita de bom grado, costuma bastar. Existem exceções, que todos conhecemos, mas via de regra é suficiente. Pode não ser sempre o que desejamos, mas é o bastante.

Nesse particular, pertence à ordem que o filho diga a seus pais: “Eu recebi muito. Sei que é muito, é o bastante. Eu o tomo com amor”. Então ele se sente pleno e rico, seja qual for à situação. Então ele acrescenta: “o resto, eu mesmo faço”. Isto também é um belo pensamento. Finalmente, o filho ainda pode dizer aos pais: “E agora eu os deixo em paz”. O efeito destas frases vai muito fundo: agora o filho tem seus pais e os pais têm o filho. Pais e filho estão simultaneamente separados e felizes. Os pais concluíram sua obra e a criança está livre para viver sua vida, com respeito pelos seus pais mas sem dependência.

Imaginem agora a situação contrária, quando o filho diz aos pais: “O que vocês me deram foi errado e foi muito pouco. Vocês ainda estão me devendo muito”. O que esse filho tem de seus pais? Nada. E o que têm dele os pais? Igualmente nada. Esse filho não consegue soltar-se de seus pais. Sua censura e sua reivindicação o vinculam a eles, mas de uma forma tal que ele não os tem. Ele se sente vazio, pequeno e fraco.

Esta seria a segunda lei do amor entre filhos e pais.

Uma senhora, que recentemente participou de um grupo meu, tinha um pai cego e uma mãe surda. Os dois se completavam bem, mas a filha achava que devia cuidar deles. Quando montei a constelação de sua família, ela se comportou como se fosse ela a pessoa grande. Porém sua mãe lhe disse: “Esse assunto com seu pai eu resolvo sozinha”. E o pai lhe disse: “Esse assunto com sua mãe eu resolvo sozinho. Não precisamos de você para isso”. Aquela senhora ficou muito desapontada, porque foi reduzida ao seu tamanho de criança.

Na noite seguinte, ela não conseguiu dormir. Aliás, ela sentia uma grande dificuldade para adormecer. Perguntou-me se eu podia ajudá-la. Respondi: “Quem não consegue dormir talvez esteja pensando que precisa vigiar”. Contei-lhe então a história de Borchert sobre o menino de Berlim que, no fim da guerra, tomava conta de seu irmão morto, para que os ratos não o comessem. O menino estava esgotado, porque achava que devia ficar vigiando. Nisto, passou por ali um senhor simpático que lhe disse: “Mas os ratos dormem à noite”. E a criança adormeceu.

Na noite seguinte, aquela senhora dormiu melhor.

Portanto, a ordem do amor entre filhos e pais estabelece, em terceiro lugar, que respeitemos o que pertence pessoalmente a nossos pais e o que eles podem e devem fazer sozinhos.

Receber e exigir

A ordem do amor entre pais e filhos envolve ainda um quarto elemento. Os pais são grandes, os filhos pequenos. Assim, o certo é que os pais dêem e os filhos recebam. Pelo fato de receber tanto, o filho sente a necessidade de pagar. Dificilmente suportamos quando recebemos algo sem dar algo em troca. Mas, em relação a nossos pais, nunca podemos compensar. Eles sempre nos dão muito mais do que podemos retribuir.

Alguns filhos querem escapar da pressão de retribuir e dos sentimentos de obrigação ou de culpa. Eles dizem então: “Prefiro nada receber, assim não sinto obrigação nem culpa”. Esses filhos se fecham para seus pais e, nessa mesma medida, sentem-se pobres e vazios. Pertence à ordem do amor que os filhos digam: “Eu recebo tudo com amor”. Assim, eles irradiam contentamento para os pais, e estes percebem a felicidade deles. Esta é uma forma de receber que é simultaneamente uma compensação, porque os pais se sentem respeitados por esse receber com amor. Eles dão, então, com um prazer ainda maior.

Quando, porém, os filhos dizem: “Vocês têm que me dar mais”, o coração dos pais se fecha. Por causa da exigência do filho, eles não podem mais cumulá-lo de amor. Este é o efeito de tais reivindicações. Esse filho, por sua vez, mesmo quando recebe alguma coisa, não consegue tomar o que exigiu.

A verdadeira equiparação entre o dar e o tomar na família consiste em passar adiante o dom. Quando a criança diz: “Eu tomo tudo, e quando eu crescer, eu darei por minha vez”, os pais ficam felizes. A criança, no seu dar, não olha para trás, mas para frente. Os pais fizeram o mesmo. Eles receberam de seus pais e deram a seus filhos. Justamente pelo fato de terem recebido tanto, sentem-se pressionados a dar, e podem igualmente fazê-lo.

• No interior de cada grupo familiar, vale a ordem básica, a lei fundamental: todas as pessoas do grupo familiar possuem o mesmo direito de pertencer. Em muitas famílias e grupo familiares, determinados membros são excluídos. Alguns dizem, por exemplo: “Esse tio não vale nada, ele não pertence a nós”, ou então: “Dessa criança ilegítima nada queremos saber”. Com isso, recusam a essas pessoas o direito de pertencer.

•Aqui pertence à ordem do amor que eles digam interiormente ao irmão morto: “Você é meu irmão (minha irmã). Eu respeito você como meu irmão (minha irmã). Você tem um lugar em meu coração. Eu me curvo diante do seu destino, da forma como lhe aconteceu, e digo sim ao meu destino, da forma como me foi determinado”. Então a criança morta é respeitada, e a outra pode permanecer viva sem sentimento de culpa.

Bert Hellinger

Consciente e Inconsciente: Memórias no Corpo Etérico

A técnica de pensamento positivo não é uma técnica que o transforma. Ela está simplesmente reprimindo os aspectos negativos da sua personalidade. É um método de escolha. Ela não pode ajudar a consciência; ela vai contra a consciência.

A consciência é sempre algo sem escolha.

O pensamento positivo simplesmente significa forçar o negativo para o inconsciente e condicionar a mente consciente com pensamentos positivos. Mas o problema é: o inconsciente é muito mais poderoso, nove vezes mais poderoso que a mente consciente.

Então, uma vez que uma coisa se torne inconsciente, se torna nove vezes mais poderosa do que antes. Ela pode não ser mostrada da maneira antiga mas irá encontrar novas maneiras de expressão…

E isso é danoso e perigoso também.

As idéias negativas da sua mente precisam ser liberadas, não reprimidas por idéias positivas. Você tem de criar uma consciência que não é nem positiva nem negativa. Isso será a consciência pura. Neste puro estado de consciência, você viverá a vida mais natural e plena de felicidade…

O pensamento positivo é simplesmente a filosofia da hipocrisia – para lhe dar o nome correto.(…)

Você tem que entender que não tem apenas este corpo de carne, ossos e sangue, não apenas este cérebro que é parte do corpo.

Por trás do cérebro, você tem uma mente – que a mente é abstrata – e, por trás do corpo, você tem um corpo astral.

A palavra “astral” vem de estrelas; ela significa luz… Ao invés de carne e ossos, um corpo somente de luz. Este corpo de luz, o corpo astral, tem a mente dentro de si.

Quando você morre, seu corpo físico e sua mente física são deixados para trás. Mas o corpo astral viaja com você, com a mente, com todas as lembranças da vida passada e do corpo, lembrando de todas as feridas e cicatrizes que acontecem no corpo físico.

Este fenômeno abstrato viaja com você; oculto dentro dele está o seu centro fundamental, existencial.

Até que você conheça o seu centro, terá que viajar continuamente de um corpo para outro.

Você já tem viajado por milhares de vidas, juntando mais e mais memórias na sua mente astral, mais e mais memórias no seu corpo astral. Embora o seu centro não seja afetado, ele é envolto pelo corpo astral, e o corpo astral vai de um útero a outro, de um túmulo a outro. Ele é a sua individualidade; ele tem um continuum. Mas o continuum chega ao fim quando você se torna um buda.

Quando você penetra profundamente em direção ao centro, você também está rompendo o corpo astral, fazendo um caminho através da mente, além da mente, através do corpo astral e além do corpo astral, em direção ao centro do seu ser. Um vez que tenha chegado no centro do seu ser, o continuum da individualidade pára. Agora começa a existência universal. Você não entrará num útero novamente e não será cremado numa pira funeral novamente. Agora você será um com o todo.

É claro, tudo tem um custo. Você terá de deixar o seu tão estimado amor pela individualidade. Durante milhões de anos, você tem amado a sua individualidade, mas a sua individualidade, no final das contas, é uma limitação.

Agora, dê um salto para fora do continuum e torne-se um com o todo. Você irá desaparecer exatamente como uma gota no oceano. Mas isto é a bênção essencial, tornar-se oceânico, tornar-se cósmico é o mais profundo êxtase.

Você jamais irá se arrepender de perder a sua individualidade.

O que era a sua individualidade?

Você já pensou alguma vez?

A sua individualidade era uma prisão sutil, que o tirou de um útero, passou de um túmulo para outro útero e repetiu as mesmas coisas de novo e de novo e de novo. Esta é a razão pela qual, no oriente, eles chamam isto de ciclo de vida e morte.

Saltar fora deste círculo é todo o propósito da meditação – sair fora deste continuum, que tem sido apenas uma profunda angústia, tortura e sofrimento, e desaparecer no céu azul.

Este desaparecimento não é a sua morte. Este desaparecimento o torna um com o todo. E ser um com o todo é a maior alegria, a maior bênção.”

Osho em Krishna, the man and his Philosophy

@Interconexão

Se você acha isso útil, compartilhe com outras pessoas.  

À medida que eu me desperto, desperto você.

Eu te desejo paz sobre todas as coisas.


Seu Mundo Gira em Torno do Seu Umbigo

Sua vida gira em torno do que você acredita que é verdade. Dos pensamentos que cultiva diariamente, sejam eles sobre o que você deseja e não tem, o medo de nunca ter, ou de perder o que tem, sejam sobre a confiança de estar no caminho certo ou suas dúvidas sobre ele.

Sua vida gira em torno do seu coração, seus sentimentos a respeito do mundo, do que acontece, do que pode ou não vir a acontecer conforme você acredita. Da maneira como você se relaciona com o mundo e tudo que nele existe.

Sua vida como você a experimenta gira em torno de um sistema que você programou e programa todos os dias com os seus julgamentos e percepções.

Aquela velha frase que ouvimos de nossos pais enquanto crescíamos , “a vida ou o mundo não gira em torno do seu umbigo”, é a pior mentira que já nos disseram. É uma mentira contada muitas vezes geração após geração, pra que nos distanciássemos da verdade de que tudo acontece de dentro de nós para fora. E que esse é o tamanho e responsabilidade do nosso poder.

Seu mundo gira em torno do seu umbigo sim, e você gira em torno do seu mundo. Aquele que você criou, aquele que você enxerga, aquele você escolhe ver. O mundo não parece o mesmo para todos.

Tudo é sobre você, e de certa forma tudo está a seu serviço, seja no melhor ou pior dos acontecimentos. Cada problema foi atraído por você, mas é uma oportunidade de curar a ferida, de reescrever o “programa” , baseado em memórias sejam elas conscientes ou inconscientes, suas ou da sua família, individuais ou do consciente coletivo.

Uma memória que influencia seu mindset e sua vibração, portanto sua realidade seja ela qual for vem de você.

Você não tem culpa de nada, mas é responsável por tudo que experimenta. Da mesma maneira seria sábio não culpar os outros. Entenda que você pode fazer escolhas, e tomar medidas mantendo os outros responsáveis pelas suas atitudes sem  culpa-los. Aprender a diferença é um degrau sutil mas importante.

Já estamos de fato cansados de ouvir que criamos nossas realidades, queremos estar no controle então. Mas não estamos! Mas se não estamos, então como somos responsáveis?

As memórias são suas, ou você compartilha delas. É o que diz o mestre do H’oponopono. Eu vejo a cura que ele promoveu naqueles internos no manicômio  como uma limpeza dos próprios julgamentos sobre aquelas pessoas. Se você atrai alguém para sua vida, te dê essa pessoa o trabalho que dê, é porque os campos estão correspondentes, o banco de dados é similar ou se completa. Dr. Ihaleakala Hew Len diz  que são memórias compartilhadas, talvez sejam, talvez sejam de outras vidas, talvez sejam dos nossos ancestrais, talvez sejam do consciente coletivo, e no jogo da dualidade alguém concorda em interpretar o bandido. Não sei, não tenho todas as respostas, e quem diz que as tem está sendo ingênuo.  

Mas  dessa perspectiva de autoresponsabilidade cada um de nós detém um poder, o poder de reformular a própria percepção ao invés de ficar com a percepção inicial  que o sistema (banco de dados) faz pipocar na mente e projeta no sistema nervoso inundando o corpo de emoções. Você pode ficar com a primeira reação mental/emocional se isso serve a vida que você quer criar, e muda-la quando não serve. Mas julgamento não serve a ninguém.

Você tomou algo como verdade no caminho da vida. Você se identificou ou julgou e isso “grudou” em você por assim dizer.

Se você não está no controle, você está no automático. Algo como o processo que administra o funcionamento do seu corpo. Hoje em dia você pode até saber o que ele faz porque é um processo que foi, e vem sendo estudado. Mas é um sistema inconsciente ou que tem consciência própria.

Do mesmo modo funciona o sistema que administra a sua realidade, é um sistema automático que pode ou não ser programado conscientemente.

Agora você sabe que algo como suas palavras afetam a química do seu corpo, essa é a parte do sistema que escuta você e se define por isso. Assim há histórias no mundo inteiro de remissão espontânea ( autocuras milagrosas) .

Do mesmo modo o sistema quântico universal é afetado pelo que você interioriza. Suas palavras são um meio de fazer isso. É um sistema automático que lê seus dados, (frequência vibracional ) e os transforma em experiências. Digamos que esse seja o sistema primário.

Julgar é uma maneira de se identificar com algo, medo e preocupação é uma maneira de focar em algo e carregá-lo com emoção, o que é uma carga energética de criação. Assim como é o amor. O sistema registra incessantemente tudo o que você “faz” e gera mais daquilo que tiver mais energia. Aquilo que é primário, sobre a sua sobrevivência e segurança, aquelas informações programadas primeiro, no início da vida tem muita energia.

Quanto mais você julga algo ou alguém, mais você se relaciona com aquilo e uma carga energética é adicionada. Assim é com tudo. E assim esses programas vão se automatizando. Esse seria o sistema secundário. Quando algo alcançar um certo nível de energia de muitas repetições o programa passa a rodar sozinho. Você é responsável por eles por ação ou omissão.

Limpe as memórias, libere os programas, reescreva os dados tentando o que funcionar pra você, comece onde você está. Libere o hábito de julgar os outros,  bom ou mau, certo ou errado e todos esses rótulos que damos as pessoas que não agem de acordo com aquilo que achamos correto. E quando o fizer, limpe. Não sejamos ingênuos, essa não é uma tarefa fácil, somos dualistas e achamos que um coisa é isso ou aquilo e que tem que ser assim.

Consciência é estar claro sobre as coisas conforme acontecem. É reconhecer o seus hábitos e a sua resposta automática diante da vida diária e então trabalhar nela.

Seja consciente sobre si mesmo. Se há algo na sua vida que queira mudar, há algo em você que precisa reconhecer.

Essa não é uma verdade absoluta, tudo que eu estou dizendo é o oposto disso, se a verdade não fosse relativa seríamos uma só mente. Podemos ser, mas certamente não estamos!

Eu te desejo paz sobre todas as coisas, paz acima de tudo. Qualquer coisa que você deseje criar começa com ela.

G ‘ ♾ interconexão

Animal de poder E arquétipo da raposa

A raposa simboliza inteligência, adaptabilidade, astúcia, sagacidade, e é conhecida em algumas culturas como uma trapaceira. Em outras culturas, como o sistema de crença celta, a raposa é vista como um guia espiritual, que o ajuda a navegar no mundo espiritual. As raposas também são símbolos de espiritualidade, criação, presságios e vida após a morte.

ATUALIZAÇÕES EM INTERCONEXAO.ORG

ESSE SITE encontra-se atualizado em interconexao.org

Código Secreto, Seu Nome de Poder #Numerologia

Tudo neste universo vibra. O mesmo acontece com um Nome. Cada nome vibra em um determinado comprimento de onda e frequência. Se estes ressoam em Valores da Sorte, esse nome é sortudo.

Existem diferentes tipos de números numerológicos que podem afetar a vida de uma pessoa de maneiras diferentes em todas as idades . Número caminho de vida , número de destino , número de Personalidade são diferentes números na numerologia que afetam diferentes aspectos de nossas vidas.

O número do caminho de vida é baseado na data de nascimento, enquanto o número do destino e os números da personalidade são baseados nos alfabetos de seu nome. Esses números descrevem seu tipo de personalidade e seu destino final e objetivos de vida. É assim que toda a grafia do nome que muda de acordo com as coisas da numerologia funciona.

Celebridades muito famosas optaram por mudar seus nomes ou a grafia de seus nomes, sob a orientação de seu numerólogo na esperança de que suas carreiras e vidas pessoais mudassem para melhor.

Mudando a grafia do nome, altera-se o seu número e a pessoa se torna então influenciado por aquela nova vibração. A simples mudança de uma letra modifica todo o equilíbrio do nome.

Além do trabalho árduo e talento, um pouco de ajuda da numerologia pode desempenhar um papel fundamental na determinação da carreira de um indivíduo. Fala-se de oportunidades e portas abertas, mas a pessoa ainda precisa aproveita-las e fazer sua parte com comprometimento, não é mágica, é uma energia de apoio ao invés de uma energia conflitante.

Os números são uma síntese da inteligência infinita do cosmo, do micro ao macro, e são a
base das fórmulas de todas as ciências e da criação divina. São chaves para se desvendar
as realidades ocultas aos nossos sentidos físicos contendo em seus arcanos preciosas
informações acerca da natureza humana e dos universos.

A Numerologia Cabalística, além de suas revelações importantes possibilita um poderoso
recurso de superação através da assinatura planejada.



Todas As Coisas Que Parecem Me Acontecer eu as Peço e as Recebo Conforme Pedi

O livro um curso em milagres tem uma passagem com esses dizeres onde orienta a dizer essa sentença com convicção. Convicção as vezes precisa ser construída, então vamos analisar um pouco e ver se conseguimos vender a nós mesmos essa ideia. Porque mudar uma crença é isso, convencer a si mesmo, e se você fosse vender algo a outra pessoa precisaria de argumentos, então quando você quiser absorver uma ideia a analise de modo a construir argumentos para vende-la a si mesmo.

Eu sou responsável pelo que vejo. Eu escolho os sentimentos que experimento, e eu decido quanto a meta que quero alcançar.

E TODAS AS COISAS QUE PARECEM ME ACONTECER EU AS PEÇO E AS RECEBO CONFORME PEDI

PARECE, porque as coisas realmente parecem que simplesmente acontecem, acontece de o ônibus atrasar ou passar mais cedo e você perder, acontece de alguém bater no seu carro no transito, acontece de alguém esbarrar e derramar café na sua roupa branca, do carro passar na poça de água bem na hora que você estava do lado.

A vida é vivida assim, tudo parece que acontece e tudo bem, esse é o jogo que estamos jogando no teatro da vida. Mas quanto mais conscientes estamos de QUE APENAS PARECE mais empoderados estamos pra lidar com as situações, identificar e mudar a informação interna que é refletida neles. O NOSSO CONTEÚDO INTERNO SE EXTERNA E SE MOSTRA PRA NÓS ATRAVÉS DOS ACONTECIMENTOS DO DIA A DIA, das pessoas que atraímos, das reações que atraímos, de absolutamente tudo que vivenciamos.

O PRIMEIRO PASSO é reconhecer que por mais dolorido ou bizarro que seja o que estamos vivenciando e do quanto gostaríamos conscientemente que fosse diferente, ISSO é um reflexo do conteúdo interno. Alguma informação registrada por você desde o início da sua vida ressoa criando experiências presentes e é através dessas mesmas informações que a sua mente interpreta as interpreta. Então não é pra se debater e pensar “nossa eu sou um merda pra criar essa vida horrível pra mim mesmo”. A sua experiência é a única forma de você ver o seu conteúdo, por isso fala-se em ser grato pelo que se apresenta. A vida não está te batendo mas sim mostrando o que tem aí dentro, se quiser viver de uma forma diferente é isso que precisa ser mudado internamente, ela não pode fazer por você mais que isso, mostrar.

EU AS PEÇO E AS RECEBO

Pedir aqui quer dizer energeticamente, a gente sabe que na nossa sã consciência não quer bater o carro, não quer chegar atrasado numa reunião importante ou ser maltratado. Mas pessoas se atraem para cocriar experiências que são a externalização do conteúdo de ambas. Melhor dizendo Campos energéticos se atraem, inconscientes se atraem porque tem em si peças que se encaixam como um quebra cabeça, para qualquer experiência acontecer é preciso que exista esse encaixe energético, as informações no que dr Hew Len chama banco de dados precisam se encaixar.

O campo busca algo que o complemente, que encaixe uma peça na outra pra poder assim construir uma realidade material pra ser experimentada. Fulano que tem uma informação que é compatível com chegar atrasado vai atrair como chefe alguém que tem uma informação compatível de ter funcionários que atrasem. E se ele fizer de tudo para não atrasar, algo vai aparentemente acontecer com ele, pode ser através de atrair alguém que vai bater no carro de leve, o suficiente para atrasar, ou que vai roubar a vaga de estacionamento, ou pode o carro estragar se não houver ninguém nas redondezas com um campo predisposto a cocriar essas coisas. Essas pessoas tem campos energéticos predispostos a x ações e reações e o seu inconsciente vai estar caçando essas pessoas por aí pra te ajudar a viver a experiência necessária e/ou padrão. No exemplo de chegar atrasado se não houver pessoas para cocriar, o inconsciente vai dar outro jeito porque é o trabalho dele manifestar a sua vida de ACORDO com o seu conteúdo interno, com os seus comandos primordiais. Então essas pessoas estão te ajudando a manifestar o seu conteúdo ao mesmo tempo que você as ajuda a manifestar o delas, é e sempre será uma troca justa e compatível no campo energético. Mas no físico pode parecer injusto, sacanagem ou azar. Portanto é sim um pedido recebido.

EU SOU RESPOSÁVEL PELO QUE VEJO

É a experiência, mas também é como você a enxerga.

Você está manifestando o seu conteúdo interno na experiência presente e ao mesmo tempo “programando manifestações futuras”, criando padrões, com o modo de ver/interpretar e sentir esta mesma experiência presente.

Você é o único que tem o poder de mudar a sua PERCEPÇÃO, olhar para as mesmas pessoas, para os mesmos eventos DE UM MODO TOTALMENTE DIFERENTE. É você quem tem que mergulhar dentro de si mesmo e dissolver a raiva, o ressentimento, o julgamento e mudar a sua percepção.

A primeira interpretação que você dá a algo é automática, vem do seu “banco de dados inconsciente”, mas você pode parar e reinterpretar conscientemente de forma que te eleve e libere a todos, não resumindo as pessoas aos seus defeitos ou erros, se abstendo de julgar de forma condenatória. Quando você faz isso seu inconsciente que está sempre trabalhando, ouvindo, registrando e executando no mundo externo o que está no seu mundo interno, registra a diferença e começa a mudar a sua “visão/interpretação automática das coisas”, assim o mesmo passa a ser visto com outros olhos. É como se o inconsciente fosse uma máquina que está o tempo todo aprendendo conforme observa você, e ele é a maquina que executa no mundo energético os comandos necessários pra manifestar o que você experimenta no mundo material. E aí quando você experiência o que materializou, ele registra as suas reações e vai aprendendo mais sobre o que criar em seguida e vai trocando a informação conforme percebe que você está reagindo diferente! Em essência ele presta atenção no que você sente e esse sentimento vai estar vinculado a ideias, pensamentos e a elementos materiais que para o inconsciente é 0101, é código energético. Ele não entende dinheiro como dinheiro e namorado como namorado, mas ele entende que quando você foca no código energético que pra gente é dinheiro você se sente “triste”, seu campo e DNA se contraem, o que pode gerar doença no seu sistema, um corpo e campo saudável requerem um DNA relaxado, então como o objetivo primário desse sistema é a sua sobrevivência gastando o mínimo de energia possível ele vai afastar isso que contrai (dinheiro etc) de você.

EU ESCOLHO OS SENTIMENTOS QUE EXPERIMENTO” é vinculado a sua percepção e sua habilidade de reinterpretar as coisas de uma forma que faça você se sentir bem, seguro e empoderado. Você é livre para ver o seu problema como a vida te ferrando, e ver a si mesmo como um nada, ou mesmo determinado a mudar a sua realidade e resolver seus problemas, olhar pra tudo como uma oportunidade de ver o seu conteúdo interno, escolher seus sentimentos conscientemente, retomar o poder do seu mundo interno e sair do automático. Você pode lembrar de todos os pontos acima para fazer isso, lembrar que as pessoas envolvidas são compatíveis com seu mundo interno e estão contribuindo, que você só recebe o que pede não importa como isso (recebido)lhe pareça no primeiro momento. Porque mesmo que você não consiga mergulhar dentro de si mesmo e achar a raiz dessa informação que origina o seu problema/oportunidade, só de olhar pra isso de maneira diferente, só de trabalhar as memórias conscientemente, o seu sistema já está registrando uma mudança. Você já está plantando sementes novas ao invés de somatizar o mesmo padrão.

Então você pode pegar a sua lista negra e começar a reinterpretar esses momentos e essas pessoas através de um olhar diferente, ou apenas usar esse olhar a partir daqui com o que quer que lhe aconteça. Você pode buscar ferramentas e praticar pensar conscientemente, ou não fazer nada. A questão é assumir que não fazer nada também é uma escolha. Manter as mesmas crenças e padrões também é uma escolha. Acreditar que tudo está contra você ou a seu favor é uma escolha. A seu favor não é o que só facilita a sua vida, mas é acreditar que dentro daquele problema tem uma oportunidade que você não está se permitindo enxergar.

@interconexao



Você Está Disposto a Abandonar o Que Te Faz Sofrer?

Não é apenas sobre pessoas, relacionamentos, trabalhos… é sobre ideias percepções, julgamentos, sentimentos…é sobre raiva, ressentimento e o apego a sua interpretação dos fatos e das pessoas. É sobre resumir o outro e a si mesmo aos erros e a dor quando existe muito mais que isso! É a sua escolha abandonar um emprego ou um relacionamento, mas também é a sua escolha que emoções vai manter consigo se ficar ou partir. Você pode ter raiva do que alguém fez ou pode escolher entender que ele deu o que tinha e que algo dentro de você se colocou disponível à isso. Você continua se levando consigo, é o sentimento que carrega no seu coração e a maneira como interpreta a dinâmica da vida que determinam o peso do sofrimento/problema e sua habilidade de lidar com isso sem perder a paz.

Você está disposto a abandonar a narrativa da vítima e do vilão? Somos espíritos interpretando personagens que apenas parecem a vítima ou o vilão. Enquanto você contar a história de que por culpa dos seus pais…do seu chefe… do cliente…do seu marido(esposa)…do seu filho…do seu vizinho… Você não se sente ______, amado, feliz, próspero, em paz, ou que por sua culpa o seu filho, fulano ou ciclano não é feliz ou qualquer coisa que seja, você carrega uma carga que não é sua enquanto dá o seu poder ao outro. Cada um é responsável pelo seu mundo interno. Se a carga não é sua, você não tem o poder ou o que é necessário para carrega-la, e por isso enverga. A “carga” foi feita sob medida para o seu dono, para o desenvolvimento dele, por tanto só ele tem o necessário para dar conta dela, é o poder dele. Aquela pessoa precisa daquilo pra desenvolver as habilidades necessárias para dar o próximo passo. Tudo serve ao ser. Tudo agora está a serviço do que está por vir.

Abandonar o que te machuca aqui não é apenas perdoar o erro, é compreender que cada ser humano deu o seu melhor em cada circunstância ainda que pareça pouco, ainda que pareça horrível, que doa, ainda que existisse uma opção “melhor” ao nosso ver. Tudo que aquele ser podia fazer com o conteúdo interno dele, ele fez. Mesmo que você olhe e diga que ele poderia ter pego outro caminho, tomado outra ação ou reagido de outra forma… você não vê o interior do outro, nem as razões do espírito por trás das ações do humano. Você não sabe o que só Deus sabe. Você julga da sua posição, com o seu conteúdo, não do lugar do outro, com a dor do outro, na pele do outro, você não sabe, então você escolhe uma maneira de interpretar o outro, a si mesmo, as circunstancias, as ações e reações. Se é assim, escolha uma interpretação que te faça bem, que te beneficie e te empodere ao invés de uma que te diminua. Escolha uma interpretação que liberte, que não aprisione nem resuma ninguém à um julgamento no seu mundo interno. Que não te amarre em emoções pesadas. Que não te prenda à cadeira da vítima ou do vilão. Para ser livre você precisa se soltar da culpa e do julgamento que te amarra ao outro. Do lado de fora você toma as ações pertinentes a cada situação mas não internaliza a posição de mocinho ou bandido e busca entender porquê seu inconsciente trouxe aquela situação para sua experiência. Quanto mais desenvolvemos a habilidade de agir no mundo externo de acordo com o que determinamos que é melhor e mais humano, e simultaneamente do lado de dentro não nos prendermos ao julgamento, mais livres nos tornamos.

Autorresponsabilidade não é culpa. Se julgar do lugar em que você está agora, quando já sabe onde aquelas escolhas “erradas” te levaram, quando você já aprendeu algo com aquilo é incoerente, até mesmo insano. A consciência que você tem hoje é resultado de todas as suas vivências, aquele era o seu melhor, e te desenvolveu para ser melhor um passo a frente. Abandone a ideia de que você poderia ter feito melhor, com o conteúdo que você tinha aquele foi o seu melhor.

Você está disposto a abandonar a ideia de que não te deram o bastante? De que aquilo que aconteceu foi feito pra te destruir? De que a vida é injusta com você? A vida que o seu Espirito escolheu!

Parece que são pessoas que te machucam

Não são pessoas que te machucam mas a sua ideia sobre o que eles deveriam fazer pra você se sentir ____________em contraste com a realidade. Se você abandonar a ideia de que precisa disso pra se sentir ________ você é livre pra continuar buscando pessoas que tenham determinado trato com você, mas não vai mais sofrer quando se deparar com alguém que não tiver. Você se muda sem se afetar pela mudança, pela dor do que não foi….você é livre pra continuar buscando o trabalho sonhado e todas as coisas que deseja desfrutar mas não sofre por não as ter porque abandonou a ideia de que depende delas pra se sentir_________. As buscas sempre serão contínuas, mas os resultados, cedo ou tarde, podem surpreender. Todo sentimento é uma semente para colheita futura. Escolha uma visão da vida que você tem agora que faça você se sentir bem, o melhor possível, mas continue agindo no mundo material para ter uma vida melhor. Uma coisa não anula a outra, a semeadura acontece simultaneamente no mundo material e imaterial, pelo que você faz, acredita e pelo que você sente.

@interconexão


5 Conselhos Para Eliminar a Mágoa

1 – PASSE A OLHAR O SEU PASSADO COMO UMA OPORTUNIDADE DE APRENDIZADO: Ao invés de acreditar que aconteceram coisas erradas com você no passado, passe a enxergar essas situações como oportunidades de crescimento. Uma dica é utilizar a frase: “Ou eu consigo ou eu aprendo”.

2 – OLHE PARA AS PESSOAS COM COMPAIXÃO: Costumamos ser condenadores vorazes das atitudes alheias e até das nossas. Cobramos atitudes perfeitas e esquecemos que todos tem seus limites. Uma maneira de trabalhar esse “julgador interno” é a compaixão. Comece a olhar as pessoas lembrando que todos tem os seus limites e que todo equívoco nada mais é do que o limite de cada um.


3 – APRENDA A SOLTAR: Nossa mente tem o poder de prender ou de soltar. Tudo que você fixa o seu pensamento você prende no seu emocional. Se as lembranças do passado ainda lhe causam dor, tente assumir o ponto de vista dos dois conselhos anteriores, e se ainda tiver dificuldades pense nas oportunidades que você quer criar em sua vida.

4- NÃO ALIMENTE A VÍTIMA: Todos já nos consideramos injustiçados em algum momento. Porém focar nesse personagem não vai resolver nossos desafios, apenas nos aprisionar como reféns do nosso passado. Sempre lembre que independente do que lhe aconteceu, não é seu passado que determina sua vida é a sua atitude no hoje que molda os seus caminhos. Você não é o refém, é o protagonista!


5 – PRATIQUE A POSITIVIDADE E A GRATIDÃO: Ser positivo não é ser ingênuo, é ser prático e ver o melhor de cada situação. Filtre o que você quer levar com você de suas experiências e seja grato por tudo que viveu. Há situações que são desagradáveis, porém mesmo elas nos são importantes. Seja grato por quem você se tornou e saiba que muitas situações melhores virão.
Marque alguém que sente a necessidade de eliminar suas mágoas.

Alexandro Gruber

Emoções que afetam parte superior, média e inferior das costas #Metafísica

Em cerca de 85 por cento dos pacientes com dor nas costas, nenhuma causa clara é identificada. Para diagnosticar a dor nas costas, uma série de tecnologias de imagem agora são regularmente empregadas mas ainda é muito difícil descobrir porque alguém está tendo dores crônicas nas costas. Com bastante frequência, os exames de imagem revelam anormalidades da coluna, como espondilolistese e hérnia de disco, e é tentador atribuir imediatamente dor nas costas a essas anormalidades. Mas tenha em mente que essas condições são frequentemente encontradas em pessoas que não apresentam nenhum sintoma de dor nas costas . Essas anormalidades podem não ter absolutamente nada a ver com a dor que você sente.

No antigo sistema de chakras que é seguido em muitas modalidades de cura, como acupuntura, acupressão, cura prânica e muitas outras terapias alternativas, todos os principais centros de energia (chakras) estão na espinha. Também de acordo com os ensinamentos antigos, nossa espinha é altamente significativa em nosso avanço espiritual. A Kundalini (Chi / energia secreta) reside como energia potencial na base da coluna e os grandes meditadores avançados são capazes de elevar essa energia através dos chakras para explorar / experienciar o despertar.

Sua espinha é composta de 33 vértebras empilhadas como blocos de construção inter camadas com discos de absorção de choque, nada menos que 641 músculos das costas e milhões de fibras nervosas permitem que você fique em pé e permita que você torça, dobre e permaneça imóvel. É um milagre que tomamos como garantido.

O que você está prestes a ler não é substituir tratamento médico. É para abrir a sua mentalidade para a possível conexão emocional que pode estar causando ou ampliando sua dor nas costas. A Coluna vertebral é o suporte não apenas de nossas cargas físicas, mas também das emocionais. Nossa espinha é nosso sistema de apoio e representa o suporte de vida e problemas com as costas geralmente significam que sentimos que não estamos sendo apoiados.

Coluna Cervical (C1 a C7) – pescoço

A Parte Superior das Costas tem a ver com a falta de apoio emocional; Sentindo que pessoas importantes em sua vida não o compreendem nem o apoiam. Você pode sentir-se mal amado, carente, abandonado ou pode estar retendo seu amor de alguém. Dor nas costas também pode significar que você sente que alguém está sempre de costas.

Ao mudar a crença de que você é responsável pela felicidade de outras pessoas, ela pode aliviar a dor na parte superior das costas e no pescoço. Quando você entende isso, estende esse entendimento ao outro, ou seja, o outro tão pouco é responsável pela sua felicidade, e você não deve depender da reação do outro pra se apoiar e ser quem é.

Quando você faz algo porque sente que tem que fazer para o outro para ser amado ou aceito está calculando uma reação esperada do outro a partir da sua ação. Você está dando todo o seu poder ao outro. É a reação dele que te importa mais do que você mesmo, e é a reação calculada e esperada dele que decide/define a sua ação, sua escolha, sua forma de ser e agir, assim o seu poder está dependente do outro sobre quem você não tem nenhum poder! Como você vai conseguir se estender, se colocar de pé em igualdade assim?

Quando você acredita que tem que fazer porque o bem estar e a felicidade e bem estar do outro depende disso, você está se sobrecarregando com um peso que não tem poder de carregar porque não te pertence. Entenda o fazer aqui como sendo sem o querer fazer, quando você precisa colocar muito esforço, quando tem um senso de obrigação que ultrapassa todos os seus limites saudáveis, quando é preciso abrir mão de si em prol disso. Entenda essa dinâmica como relação entre adultos não dependentes e que mesmo com crianças cujo você tenha responsabilidade, que dependem de você existe um limite, você dá o seu melhor e fica bem com isso porque é o seu melhor, ao mesmo tempo que está ensinando elas a respeitarem seus próprios limites o das outras pessoas e a ficarem do seu próprio lado quando atingirem esse limite e não puderem fazer mais, mesmo que gostariam de fazer, mesmo que lhes seja esperado mais. Alimentar culpa e ressentimento por julgar que o seu melhor agora não é bom o bastante destrói o seu apoio na vida.

  • Calcificações na cervical estão relacionadas a comportamento rígido, inflexível.
  • Hiperlordose Cervical evidenciam uma tristeza e dificuldade de acreditar na própria felicidade e/ ou uma pessoa que para não mostrar seu medo e necessidade do outro levanta o nariz.
  • A retificação da lordose anatômica cervical (perda da curvatura anatômica) relacionam-se a um excesso de exigência sobre si mesmo e perfeccionismo, uma pessoa que é inflexível com ela mesma principalmente a area a que se refere a parte superior das costas. Não aceita que não faz mais. Não fica do seu lado, não dá a si mesmo o apoio que espera dos outros.
  • Escoliose Cervical geralmente relaciona-se com uma tristeza do passado, a pessoa murcha em sua alegria e poder pessoal e a cabeça pende para um dos lados.

Coluna Torácica (T1 a T12) – tronco

Dor no meio das costas indicam dificuldade de posicionamento principalmente no que concerne suas emoções, essa região guarda o coração símbolo das emoções humanas:

Emocionalmente falando, a dor no meio das costas vem de se sentir culpado por “coisas” do passado inclusive posicionamentos. Talvez você tenha medo de explorar seu passado? Talvez você esteja escondendo o que está lá atrás? Você se sente esfaqueado pelas costas? Você se vê querendo gritar: “Saia das minhas costas!”. Se vê querendo, mas não faz, não se posiciona porque lá no passado quando o fez isso gerou algum problema que você considerou maior, e digno de culpar-se por. A pessoa não expõe o que sente mas se vê triste por não ser compreendida, atendida ou reconhecida. A pessoa não experiência as emoções de forma equilibrada de modo que ela as retém e as ressente ao invés de expressa-las e de ser apenas passagem para elas.

Vale pensar no que você colocou atrás do seu coração, o que você não quer ver, não admite que sente nem para si mesmo?

A fim de mover-se livremente para o seu futuro, você precisa liberar a raiva e a culpa do passado e abraçar seu presente e futuro com amor e leveza em seu coração. Sinta as emoções e deixe-as ir, não as retenha ou elas vão reter-te.

  • Calcificações na Dorsal estão relacionadas a tristezas profundas.
  • Hipercifose ( acentuação da cifose) evidenciam um esconder-se do Mundo, um encolher-se diante dos fatos que não sabemos como administrar.
  • Casos de retificação (perda da curvatura anatômica) relacionam-se de modo geral a um excesso de exigência sobre si mesmo.
    • As pessoas “retas”, retificadas nesta região, sofrem muito com a necessidade de ostentar o que não são. Elas entendem que sua sobrevivência e segurança dependem dessa ostentação.(consciente ou inconscientemente)
    • Casos de retificação que se relacionam mais ao perfeccionismo ocorrem em geral nas pessoas que foram muito cobradas e que acabaram se cobrando muito, especialmente a perfeição.
  • A Escoliose (curvatura lateral) da Região Dorsal em muitos casos relaciona-se ao “encurvar-se” diante de fatos que “não sei como”, ou “não posso mudar”, ou “sou forçado a aceitar”.
  • Hipercifóticos em geral são tristes e assumiram que a vida é triste mesmo, e nada se pode fazer para mudar.

A Metafísica da Dor no ombro e parte superior das costas: Seu coração está aberto?

PARTE INFERIOR DAS COSTAS

Coluna Lombar (L1 a L5 região da cintura) está relacionada ao “ter” na vida.

Dor Lombar  (sacral lombar e cóccix): Os tempos financeiros difíceis de hoje, são as suas finanças em uma bagunça? Você se preocupa com elas excessivamente? A falta de dinheiro, medo de não ter o suficiente, ou medo de perda material pode ser a causa de sua parte inferior das costas incomodando você. A quantidade de dinheiro que você tem não tem nada a ver com isso. É o medo da falta de apoio financeiro, o medo de sua própria sobrevivência que amplifica a dor e o excesso de cobrança, interna e externa.

Problemas na lombar relacionam-se em geral a insegurança, perdas, ou medo de perdas, ou de não conquistar, tanto no aspecto material, quanto emocional. A pessoa sente-se imobilizada gerando mais escassez.

  • A Hiperlordose Lombar, muitas vezes relaciona-se aos aspectos acima referidos, e em alguns casos relaciona-se à repressão sexual.
  • A Retificação Lombar pode ocorrer pelos motivos citados acima, pelo excesso de exigência de si mesmo e pelo perfeccionismo assim como na dorsal.
  • A Escoliose Lombar pode relacionar-se à rejeição intra-uterina, por patologia congênita óssea, o que às vezes também acontece na sétima cervical.

Eliminar a culpa paralisante, limpar o seu passado da raiva e transformar o seu medo em poder pessoal irá ajudá-lo a obter controle, bem-estar e encontrar a paz de espírito que você pode desejar em sua vida.

  • Se você deseja prevenir a dor lombar, a medida mais importante que você pode tomar é alongar e fortalecer os músculos centrais por meio de exercícios regulares. Yoga e Pilates são ideais para isso. O exercício aeróbico é útil porque fortalece o sistema cardiovascular, aumentando a circulação para os tecidos das costas. Esteja atento à sua postura: evite curvar-se, o que coloca uma grande tensão nas suas costas.

A Região Sacral está relacionada à sexualidade e a articular as mudanças necessárias

Problemas na Região Sacral relacionam-se a conflitos relacionados a sexualidade, sobretudo traumas e repressão e /ou a resistência de enfrentar algo que precisa ser mudado, protelar para tomar a decisão necessária. É como “se sentar nessa situação ”, em vez de se levantar e sair dela.

Nos casos de meninas que são esperadas meninos, é muito comum encontrarmos uma materialização sobre o sacro e dores na região. Estas mulheres, em geral, apresentam dificuldade nos relacionamentos íntimos, dificuldade de engravidar, cólicas menstruais, suscetibilidades a problemas no aparelho reprodutor (útero, ovários, seios etc.) frigidez. Homens com esse tipo de conflito materializam menos sobre o sacro, mas também manifestam problemas com a sexualidade, tanto com os relacionamentos, como no que diz respeito à suscetibilidade a problemas no aparelho reprodutor, inclusive em muitos casos sendo estéreis.

Não são apenas os problemas de coluna, mas todas as Articulações relacionam-se à nossa capacidade de nos “Articular” na Vida que é essencial para o nosso êxito tanto no trabalho, quanto nas relações e consiste na Flexibilidade e Maleabilidade, no jogo de cintura que precisamos ter para não desrespeitarmos os outros e nem a nós mesmos no processo da vida. Gerenciar as nossas emoções propicia comportamentos mais adequados e benéficos para nós mesmos.

Cura Prânica, EFT, Reiki, PNL, acupuntura e outras terapias alternativas se mostraram eficazes, mas é responsável utiliza-las de modo complementar, ou seja não troque o médico pelo terapeuta, utilize o conhecimento dos dois. Não adianta apenas olhar para a emoção e não corrigir a postura, não parar de fumar, não alongar etc, tanto quanto não adianta fazer todas essas coisas e não olhar para o seu psicológico e emocional. TIRE O “OU” DA SUA VIDA nessas questões. Use o que está disponível pra você, o holístico é um olhar integral, não é trocar a medicina por esoterismo, é considerar tudo e com um olhar individual porque cada ser é único.

Observe cuidadosamente o estresse, a depressão e a ansiedade, mochilas pesadas, postura inadequada, o não praticar exercícios, o excesso de peso, o tabagismo (se você fuma, pare – fumar literalmente priva seus discos vertebrais de oxigênio e nutrição) dieta pouco saudável , certos medicamentos e riscos do trabalho. Finalmente, encontre maneiras de relaxar se você estiver estressado, porque a tensão sozinha pode criar dor nas costas.

As emoções negativas produzem alterações metabólicas, alteração nos nossos hormônios e neurotransmissores. Isto é algo que devemos ter muito claro: Estados caracterizados pela angústia, medo, desapontamento, desânimo, significam desequilíbrio químico. Uma irregularidade entre a serotonina e a noradrenalina causa, por exemplo, um aumento na percepção da dor enquanto estresse ou ansiedade se traduzem em um maior nível de cortisol no sangue e aumento do ritmo cardíaco.  Quando acontece um “aceleramento” geral, há tensão muscular. Ou seja, músculos rígidos que alteram o equilíbrio dos nervos e dos ligamentos. 

A dor nas costas é um sintoma, então tratá-la em um nível físico é apenas uma solução de curto prazo. Entender e trabalhar a causa pode ajuda-lo a mudar hábitos, gerenciar suas emoções e ter uma vida melhor.

É importante ter a dor nas costas verificada por um médico.



HO´OPONOPONO
E KAHUNA REIKI

Aprenda a Cirurgia Espiritual Fortíssima do Kahuna. Para Quem Deseja limpar muitas das Suas Recordações Negativas e Destrutivas em Sua Vida, Traz para Seu Interior Muita Paz, Fé e Todo o Amor que Você Precisa.

Mãos de Luz

Aprenda as mais Variadas Técnicas de Mãos de Luz dos Essênios com Mantras Cristãos 

Reiki I e II

Conheça, Aprenda e Domine o uso e aplicação prática dos Símbolos do Sistema do Reiki Tradicional de Mikao Usui e o Sistema de Inspiração Tibetana dos Mantras de Poder. Essa Formação te proporciona conhecer com profundidade e colher os inúmeros benefícios de aplicar as poderosas técnicas de imposição de mãos em si mesmo ou em outras pessoas. 

Nunca Vá dormir Sem Um pedido Para o seu Subconsciente

Aprender a canalizar seu pensamento – tanto consciente quanto subconsciente – cria as condições que tornam inevitável atingir seus objetivos.

“Nunca vá dormir sem um pedido para o seu subconsciente.” —Thomas Edison

É uma prática comum para muitas das pessoas mais bem-sucedidas do mundo dirigir intencionalmente o funcionamento de sua mente subconsciente.

Seu subconsciente nunca descansa, está sempre em serviço pois controla todos os processos vitais e funções do seu corpo e sabe as respostas para todos os seus problemas. Ele está sempre ouvindo, vendo tudo que você não vê, no sentido de ver conscientemente, e registra tudo o tempo todo.

Quando relaxamos ele aproveita a brecha pra nos passar informações pertinentes.

Tenho certeza que você já teve a experiência de ter algum problema e a resposta simplesmente surgiu quando vc não estava pensando a respeito… Aquelas ideias e soluções fabulosas que temos no banho por ex… Aquele nome que tentou lembrar o dia inteiro…

COMO PEDIR

A solicitação de 3 etapas leva apenas cinco minutos: 

Etapa 1: Antes de apagar a luz, feche os olhos e reserve um minuto para fazer uma solicitação ao seu subconsciente. Pode ser qualquer coisa. Eu começaria pequeno. Um hábito, uma mudança sutil pra começar a ancorar a ferramenta em si mesmo.

Passo 2:Dedique dois minutos para se visualizar realmente capaz de fazer isso que você deseja. Seja para obter a motivação para correr antes do trabalho ou comer um lanche saudável, você deve se visualizar fazendo o pedido que fez ao seu subconsciente. Digamos que você queira correr antes do trabalho: imagine-se levantando alguns minutos mais cedo do que o normal, colocando suas roupas de ginástica e tênis de corrida e saindo. Então você começa a correr e você se sente bem. 

Etapa 3:Reserve dois minutos para imaginar a sensação que ocorrerá quando você for capaz de realizar essa coisa nova. Como você se sente quando volta pela porta da frente depois de uma corrida matinal? Energizado? Qualquer sentimento que você queira alcançar, imagine que você já criou essa emoção dentro de você. Deixe-o penetrar, então vá dormir e deixe seu subconsciente fazer o resto do trabalho. Sua mente subconsciente deseja ajudá-lo a melhorar sua vida; você apenas tem que confiar em seus vastos recursos e permitir que faça o que quer.

“Seu subconsciente trabalha continuamente, enquanto você está acordado e enquanto dorme.” – Napoleon Hill

Você verá uma melhora em menos de um mês. Essa solicitação subconsciente funciona tanto para questões pessoais quanto para questões relacionadas ao trabalho.

A ação torna seu pedido real

Essa é a melhor abordagem pois será necessário um pedido ao subconsciente e uma ação na vida desperta para que o desejo aconteça. 

Você pode não querer correr após o primeiro pedido subconsciente, mas tente visualizar-se realizando os movimentos nas primeiras semanas. Em seguida, comece a colocar seu equipamento de exercícios e faça uma caminhada de cinco minutos. Esses passos de bebê irão prepará-lo para sua rotina de corrida. Então, depois de algumas semanas, vá em frente. Agora que você tem suas emoções voltadas para a corrida, isso deve estimulá-lo a entrar em ação. Ao permitir que o ímpeto emocional cresça, você pode criar motivação que o ajudará a realizar coisas que o deixam mais feliz. 

//www.instagram.com/embed.js

Dez minutos depois de acordar:

Investigação confirma o cérebro, especificamente o córtex pré-frontal, é mais ativo e prontamente criativo imediatamente ao acordar. Sua mente subconsciente vagou enquanto você dormia, fazendo conexões contextuais e temporais. Afinal, a criatividade é fazer conexões entre diferentes partes do cérebro.

Em uma entrevista recente com Tim Ferriss, Josh Waitzkin ,antigo xadrez prodígio e campeão mundial de tai chi, explica sua rotina matinal para explorar as descobertas e conexões subconscientes experimentadas enquanto ele estava dormindo.

Ao contrário de 80% das pessoas entre 18 e 44 anos que verificam seus smartphones 15 minutos depois de acordar , Waitzkin vai para um lugar tranquilo, medita um pouco e pega seu diário.

Em seu diário, ele pensa por vários minutos. Assim, em vez de focar na entrada como a maioria das pessoas que verifica suas notificações, o foco de Waitzkin está na saída. É assim que ele entra em seus domínios superiores de clareza, aprendizado e criatividade – o que ele chama de “inteligência cristalizada”.

Agora, logo pela manhã, quando seu cérebro criativo estiver mais sintonizado, depois de seu treino subconsciente enquanto você dormia, comece a escrever tudo o que vier à mente sobre essas coisas que você solicitou.

A criação mental sempre precede a criação física. Antes de um edifício ser construído fisicamente, há um projeto.

“Um homem não pode escolher diretamente suas circunstâncias, mas pode escolher seus pensamentos e, de forma indireta, mas segura, moldar suas circunstâncias.” – James Allen

Seus pensamentos são o projeto da vida que você está construindo, um dia de cada vez. Quando você aprende a canalizar seu pensamento – tanto consciente quanto subconscientemente – você cria as condições que tornam inevitável a realização de seus objetivos.

Como Hill afirma ainda: “A mente subconsciente se traduzirá em seu equivalente físico, pelo método mais direto e prático disponível.”

Você é o criador do seu destino. Essa rotina simples o ajudará a cristalizar onde você quer ir e como chegará lá.

A Doença Como Linguagem da Alma

O titulo A Doença como Caminho levou a alguns mal-entendidos. Ele deve ser encarado de maneira absolutamente literal e sem qualquer atributo de valor. A doença é um caminho que pode ser percorrido, nem bom nem mau em si mesmo. O que fazer a respeito depende única e exclusivamente do afetado. Eu vivenciei com uma série de pacientes como eles percorreram
conscientemente esse caminho e puderam constatar retrospectivamente que “seu excesso de peso”, “seu infarto do miocárdio” ou até mesmo “seu câncer” transformaram-se em uma grande oportunidade. Hoje é preciso assumir que foi seu infarto do miocárdio que levou santa Teresa de Ávila a percorrer o caminho que percorreu. Sabemos quão intimamente as visões de Hildegard von Bingen estavam ligadas à sua enxaqueca. Estas duas mulheres extraordinárias evidentemente receberam as mensagens transmitidas por seus sintomas e transformaram suas vidas de maneira exemplar. É isso exatamente o que exige A Doença como Caminho: aprender e crescer a
partir dos próprios sintomas.
Utilizar mal esse conceito e a filosofia que subjaz a ele é um grande mal entendido. O esoterismo não tem nada a ver com a atribuição de culpa, tratando-se, tal como esta explicitado extensamente no primeiro volume, de que cada pessoa é fundamentalmente culpada por ter se separado da unidade. Ser culpado não é uma questão de pequenas ou grandes faltas cometidas na vida cotidiana, mas de algo fundamental. A culpa humana primordial reside no abandono da unidade paradisíaca. A vida neste mundo
de opostos é necessariamente cheia de faltas e serve para que se reencontre o caminho de volta à unidade. Cada falta e cada sintoma significam elementos que faltam para a perfeição, transformando-se em oportunidades de desenvolvimento.


Distorcer o significado da doença para avaliar outras pessoas é um mal entendido sob vários pontos de vista. Ele não pode servir para a atribuição de culpa, já que a culpa primordial foi distribuída há muito e não precisa de nenhuma colaboração humana. Da mesma forma, poderíamos congratular os afetados por suas doenças devido às possibilidades de desenvolvimento e aprendizado nelas contidas. Os assim chamados “primitivos” estão bastante
mais avançados que nós nesse sentido, já que consideram os sintomas da doença como golpes do destino em suas vidas, e os aceitam de bom grado como provas. Em muitas tribos, o candidato a xamã sofre sua doença de iniciação, único meio que pode introduzi-lo em novos campos de experiência. Às vezes esse pensamento é seguido de maneira tão consequente que um
curandeiro somente pode tratar aqueles sintomas que ele mesmo padeceu de corpo e alma. Essa postura é forçosa caso se entenda o curandeiro como sendo um guia de almas pelos mundos interiores, já que, afinal, um guia de viagens deveria conhecer de antemão o país através do qual guia os outros. Entre nós existem somente traços dessa maneira de pensar. Assim, em alemão se reconhece a “cura enviada” (geschickte Heil, do latim salus = Heil) na palavra destino (Schicksal). Dever-se-ia pensar também nas provas de medicamentos dos homeopatas. Nesse caso, o médico penetra de livre e espontânea vontade no âmbito de experiências da doença para reconhecer o
padrão de seu medicamento, ou meio de cura. E finalmente esperamos com razão que um psicoterapeuta tenha viajado extensamente pelos países anímicos próprios e coletivos e que saiba aonde está acompanhando seu paciente. Acusar o fato fundamental e que nos une a todos, o estar doente de uma pessoa, uma difícil época de aprendizado com as correspondentes oportunidades de crescimento, não leva a lugar algum. Isso, pelo menos, não tem nada a ver com “a doença como caminho”, e sim com o desejo de atormentar alguém.
Quem transforma seu dedo indicador em arma e, “interpretando” seus sintomas, incrimina outras pessoas ou culpa a si mesmo em relação a isso, dá a entender além do mais que compreendeu mal todo o principio. O mau uso da interpretação como incriminação, segundo o lema “você está com prisão de ventre porque é um tremendo de um avarento!”, implica no desconhecimento do caráter de sombra que existe em cada sintoma de uma doença. Por definição, sombra é o que é inconsciente para o afetado. Por isso mesmo, a pessoa incriminada dessa maneira não poderá de modo algum aceitar a interpretação. Se ela soubesse que é avarenta, não haveria a menor razão para que tivesse prisão de ventre. A sombra não assume o ataque. Ao contrário, é preciso proceder com extrema cautela neste que é o tema mais difícil de nossa existência. O afetado precisa de toda a sua energia e de muito espaço em termos de ambiente para, de pequeno passo em pequeno passo, descobrir sua relação com o tema expresso no sintoma da doença. Para isso a valoração é tão prejudicial quanto a interpretação é significativa.
Quem culpa a si mesmo dessa maneira deixa igualmente de reconhecer as oportunidades de crescimento da doença. Ver o plano da alma através do sintoma não muda nada nem devido à culpa fundamental nem devido aos fatos concretos do problema em questão. Isso tampouco faz com que uma pessoa se tome melhor ou pior; ela se toma única e exclusivamente mais
sábia e com mais consciência de responsabilidade. Caso se ignore esse conhecimento e a responsabilidade nele implícita, pouco muda, tudo continua como antes. Caso contrário, se assume a responsabilidade pelo próprio destino, a doença transforma-se em oportunidade e possibilita responder às indicações do próprio padrão.
O procedimento para isso não é de forma alguma difícil. Qualquer um pode indicar na superfície do corpo, ou seja, colocar o dedo sobre o lugar que lhe causa incômodos. O objetivo deste livro é relacionar essa experiência com o plano anímico. Apontar com o dedo corpóreo era tão óbvio antes quanto o é agora. Trata-se de colocar o dedo na ferida em sentido figurado. Isso exige coragem, mas nem tanta assim, pois a ferida já está lá. Ela não surge no momento em que se coloca o dedo sobre ela, somente se torna mais consciente. Através desse passo corajoso obtém-se, a longo prazo, a possibilidade de curar-se.

Trecho do livro A Doença como a Linguagem da Alma